terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Teatro


Shakespeare: Romeu e Julieta

Durante a era medieval havia forte oposição da Igreja contra as manifestações teatrais, porém, no final da Idade Média, o teatro ressurge como forma popular exatamente na Igreja no século X. O motivo era que as dramatizações facilitavam a compreensão das mensagens bíblicas em latim e motivavam o povo para as cerimônias religiosas.
As atividades teatrais eram produzidas dentro das igrejas e mosteiros e apresentavam interlúdios dramáticos, eventos do novo e velho testamento que faziam grande sucesso. Assim, foi grande a contribuição da igreja para a formação do gosto teatral e de uma platéia emergente. Porém, por vários motivos, a partir do século XIII, houve a remoção do teatro para o exterior das igrejas. A apresentação das peças passou a ser na frente da porta da igreja, a plataforma tornou-se o palco e a praça recebia a audiência.
Mais tarde, no século XV, a encenação de peças teatrais na Inglaterra era feita em carroças, que eram palco, casa e meio de transporte para as trupes de atores vagantes.
O teatro de Shakespeare surgiu após o primeiro renascimento das formas clássicas e no contexto acima descrito. Era um teatro experimental, com uma mistura de diversas formas e estilos. Houve a profissionalização do do ator, pois antes os atores eram padres e monges, depois os membros das guildas e, por fim, atores. Também, foram construídos os primeiros teatros.
Shakespeare, na tragédia de Romeu e Julieta, pretendia denunciar a guerra civil, que era muito freqüente na época em que viveu. Em Romeu e Julieta há a reafirmação da ordem moral do universo ( elemento fixo das peças) na forma da ordem social. Nessa época, ainda eram poucos os alfabetizados e os textos teatrais apelavam , para a escrita em versos e rimas para que fossem melhor entendidas pelas pessoas.
A rainha Elizabeth I da Inglaterra estimulou e ajudou Shakespeare em sua trajetória como produtor teatral.

Joyce Sanchotene