domingo, 31 de janeiro de 2010

WILSON MARTINS

Escritor e crítico Wilson Martins morre aos 88 anos

CLAUDIO FEUSTEL E CHIARA QUINTÃO - Agencia Estado

SÃO PAULO - O escritor e crítico literário Wilson Martins morreu ontem à noite, aos 88 anos, no Hospital Nossa Senhora das Graças, em Curitiba. Ele estava internado desde o dia 20 de janeiro e na última terça-feira passou por uma cirurgia para retirada da bexiga e da próstata por causa de um câncer.



De acordo com o médico Marcelo Bendhack, devido à idade avançada, Martins teve dificuldades cardiovasculares no pós-operatório e acabou não resistindo. Em novembro do ano passado, o escritor já havia sido submetido a uma operação devido ao tumor na bexiga. O corpo de Wilson Martins foi velado hoje na capela do Cemitério Luterano, em Curitiba, e será cremado.



Radicado em Curitiba nas últimas décadas, Martins nasceu em São Paulo em 3 de março de 1921. Foi juiz de direito, professor de língua e literatura francesa na Universidade Federal do Paraná, professor de literatura brasileira nos Estados Unidos, e crítico literário. No período em que viveu nos Estados Unidos, lecionou nas universidades do Kansas, de Wisconsin e de Nova York. Passava três meses por ano no Brasil, período em que conciliava férias e pesquisas. Entre suas obras, estão "História da Inteligência Brasileira", "A Crítica Literária no Brasil", "Um Brasil Diferente" e "A Palavra Escrita".



Com suas obras, Martins ganhou alguns dos principais prêmios literários nacionais, com o Jabuti, da Câmara Brasileira do Livro e o Prêmio Machado de Assis, da Academia Brasileira de Letras.



No jornal "O Estado de S. Paulo", estreou como crítico literário em 18 de janeiro de 1945, com o texto "Uma obra notável do professor Artur Ramos". Exerceu o cargo na publicação até 1974. Foi colaborador de outros periódicos, como o "Jornal do Brasil". A percepção sobre a obra de Martins não era unânime. Houve quem o considerasse o maior de todos os críticos, quem avaliasse que ele não compactuou com ideologias e autores e quem o considerasse reacionário.