terça-feira, 7 de dezembro de 2010

OS DEZ MELHORES LIVROS DE TODOS OS TEMPOS


OS DEZ MELHORES LIVROS DE TODOS OS TEMPOS




Trabalho de graduação apresentado à disciplina de Língua Portuguesa das Faculdades Santa Cruz – Inove Turma: LET1SA
Professora: Joyce Sanchotene                                  Professor tutor: Diogo Forbeck dos Santos





CURITIBA
13/09/2010
Primeira parte:         Os dez melhores livros de todos os tempos
            Naturalmente jamais haverá consenso quando se faz uma “lista de melhores” seja do que for: literatura, esporte, cinema, etc. Os julgamentos são subjetivos e dependem do ponto de vista de cada avaliador, podendo acontecer de a mesma pessoa mudar sua lista com o passar do tempo, adequando-a ao conhecimento adquirido. No caso dos melhores livros as listas são particularmente diversas. Influem coisas tão pessoais como o gosto literário de quem avalia, sua nacionalidade, sua história de vida e até mesmo seu estado de espírito quando leu o livro. Exemplo disso foi uma pesquisa realizada por uma entidade sueca com 100 dos escritores contemporâneos mais lidos. Mais da metade deles indicou “Dom Quixote”, de Miguel de Cervantes, como o melhor livro de todos os tempos. Curiosamente este livro não costuma aparecer na relação dos dez melhores feita nos meios de imprensa ou acadêmico. Além do mais, quantos livros já foram escritos? Por mais que leiamos, na nossa existência só conseguiremos ler uma ínfima parte do que já foi escrito. Quem pode afirmar que um dos dez melhores de sua escolha poderia ser um daqueles que ele jamais leu?
            Em vista disso apresento a relação dos dez melhores da revista Newsweek que pesquisou e relacionou os dez mais votados em diversas publicações. A maioria dessas listas continha os cem mais votados, tornando esta uma seleção bastante eclética:
1. Guerra e Paz, Leon Tolstoi, 1869
2. 1984, George Orwell, 1949
3. Ulisses, James Joyce, 1922
4. Lolita, Vladimir Nabokov, 1955
5. O Som e a Fúria, William Faulkner, 1929
6. O Homem Invisível, Ralph Ellison, 1952
7. Rumo ao Farol, Virginia Woolf, 1927
8. Ilíada e Odisséia, Homero, século VIII a.c.
9. Orgulho e Preconceito, Jane Austen, 1813
10. A Divina Comédia, Dante Alighieri, 1321

            Desses livros li apenas dois: “Lolita” e “1984” e ambos estariam também na minha lista de melhores. Só tive contato com a Ilíada durante este curso e a li parcialmente.
            “1984” é o melhor livro de ficção científica de que tive conhecimento. Foi escrito em 1948 e publicado em 1949. O autor deu-lhe o título trocando a ordem numérica da dezena do ano em que foi escrito (1948>1984). Quando publicado todo o seu conteúdo era pura ficção. Em 36 anos, o mundo havia mudado tanto que algumas previsões já eram realidade. O seu “big brother”, um sistema de vigilância inconcebível sem computadores é uma realidade quase exequível hoje. Falta apenas que câmeras consigam ler pensamentos. Apesar de ter lido o livro há muito tempo a cena que mais se fixou em minha mente foi o que ele chamou de “o grande engarrafamento”. Sua descrição de congestionamentos progressivos de trânsito é o que vemos hoje nas grandes cidades como São Paulo. Um dia, por uma conjunção de fatores, ocorre o último engarrafamento do qual nenhum veículo consegue sair mais. Os donos são obrigados a abandonar os carros onde estão para sempre. Faltam recursos para removê-los.
            “Lolita” conta a história de um pedófilo inescrupuloso que escolhe uma menina, se aproxima, conquista e casa com sua mãe para ficar perto de quem quer seduzir. A mãe começa a intuir suas intenções, mas morre atropelada. Livre para agir e com a condição de padrasto, viaja com ela por mais de um ano de cidade em cidade, vivendo em motéis e hotéis dos Estados Unidos. A narrativa é chocante principalmente porque o autor teve a perspicácia de escrever na primeira pessoa do singular. O leitor sabe a tendência do personagem principal desde o início do livro porque o narrador não esconde nada. Lê vorazmente para ver onde a história vai terminar. Se choca quando percebe que Lolita, a menina, também sabe o que vai acontecer e ao invés de reagir coopera e até provoca. Com isso o narrador envolve o leitor de tal forma que este tende a diminuir a gravidade do comportamento do personagem por conta da conivência da menina.

Segunda parte:         Indique dez autores de literatura de ficção e mencione o gênero a que se dedicam. Se você leu algum destes autores , comente
            1 – Milan Kundera (1929 – vivo)
            Romancista tcheco, escreve em alemão. “A Insustentável Leveza do Ser” é um dos melhores livros que li, senão o melhor. È uma linda história de um amor frágil, mas intenso. Kundera é genial por levar o leitor de um certo desprezo por seu personagem principal no início do livro para a admiração quando este se humaniza com o passar do tempo. Numa passagem consegue transformar a eutanásia da cachorra do casal que está com câncer numa cena comovente. De forma audaz, um personagem secundário lê uma carta relatando a morte do casal principal no meio do livro. Normalmente isso desmotivaria a leitura do restante. Não acontece neste livro. Pelo contrário, a leitura não pode mais ser evitada. Fica-se com necessidade de saber o que o casal ainda viveu antes do seu fim. Com uma tristeza no peito o leitor precisa acompanhar o casal até o momento final. Na penúltima página sabe-se que eles vão morrer em dois minutos de leitura, quando estão justamente vivendo a melhor parte delas. O leitor se sente impotente porque o fim já é conhecido. O livro termina numa descida da estrada e o leitor sabe que o acidente vai ser agora. O acidente não é descrito e não haveria necessidade de sê-lo. Só importa que estejam felizes naquele momento.
            2 – Machado de Assis (1839 – 1908)
            Melhor romancista brasileiro de todos os tempos. Li diversos livros e contos dele. Gostei mais foi do “Dom Casmurro”. O romance explora o lado psíquico de Bento, o personagem narrador. Seu eterno dilema é se sua mulher, Capitú, o trai ou não. O leitor espera que algum fato, pelo menos um, seja elucidativo. Do início ao fim do livro a dúvida permanece: o ciúme de Bento tem ou não fundamento? É real ou imaginário? Não há resposta e o livro é cativante justamente por isso. O personagem não sabe a resposta e o leitor também não.
3 - Albert Camus (1913 – 1960)
            Romancista de origem argelina que viveu posteriormente na França. Li “O Estrangeiro”, A Peste” e “A Queda”. Em “O Estrangeiro”, Camus apresenta um personagem de uma insensibilidade fora do esperado. Mata por motivo fútil, é condenado à morte e também com isso não se importa. Que fica angustiado é o leitor que não consegue decifrar sentimento no personagem. “A Peste” é um bom livro para ser lido e faz refletir sobre as fatalidades, o desespero, a morte e a solidariedade.
            4 – Frederick Forsyth (1938 – vivo)
            Inglês, escreveu o livro policial do qual mais gostei: “O Dia do Chacal”. Também li  “O Dossiê de Odessa” e “Cães de Guerra”. “O Dia do Chacal” é o relato de um assassino de aluguel contratado para matar Charles de Gaulle. Como o ex-presidente francês foi um personagem real, o leitor fica em dúvida se o assassino de identidade desconhecida apenas citado como Chacal é real ou não. Quando percebe no final do livro que apesar de parecer que teria êxito, o chacal não consegue matar de Gaulle, sua dúvida sobre a veracidade do livro aumenta. Afinal, de Gaulle não foi assassinado. O livro poderia ser ficção ou um fato do qual não teve conhecimento.
            5 – Sumerset Maugham (1874 – 1965)
            Escritor inglês com grande quantidade de livros e textos de teatro. Li “A Servidão Humana”. É um livro autobiográfico e muito bom. Li há muitos anos e já não o tenho mais, emprestado que foi como tantos outros que nunca retornaram. Anotei uma frase quando o li por achar que tinha alguma coisa a ver comigo: “Estava contraindo o mais delicioso hábito do mundo sem se dar por isso – o hábito da leitura. Ignorava que assim construía um refúgio para os momentos amargos da vida; por outro lado ignorava também estar criando um mundo irreal que iria transformar o mundo real de todos os dias numa fonte de cruéis decepções.”
6 - Jorge Amado (1912 – 2001)
            Romancista brasileiro            , escreveu a partir dos 20 anos até o final da vida. Teve grande produção, explorando o cotidiano, as diversidades sociais, religiosas, e regionais. Dos seus livros, o que mais apreciei foi “Capitães de Areia”, que relata a história de um grupo de meninos de rua de Salvador.
            7 – Mário Palmério (1916 – 1996)
            Pedagogo, deputado federal e romancista, escreveu poucos livros. Li “Vila dos Confins”, uma narrativa agradável que mostra a simplicidade da vida no interior de Minas Gerais na década de 1950.
            8 – Visconde de Taunay (1843 – 1889)
            Romancista brasileiro, cito-o pela sua bela obra “Inocência”.
            9 – Alexander Soljenitsin (1918 – 2008)
            Um russo que sobreviveu aos campos de concentração da Sibéria escreveu suas memórias. Sobreviver ao que estes homens foram submetidos é quase inexplicável. A grande maioria morreu. Com sua fuga e a escrita de “Arquipélago Gullag” o ocidente conheceu a ditadura soviética por dentro.
            10 – Daniel Defoe (1660 - 1731)
            Quando adolescente li o livro de aventuras “Robinson Crusoé” que me motivou a ler mais.

Terceira parte:          Cite alguns contistas brasileiros e transcreva um conto de sua autoria.
            Machado de Assis
            Graciliano Ramos
            Lygia Fagundes Teles
            Moacyr Scliar
Rubem Fonseca
            Clarice Lispector
            Adélia Prado
            Nélida Piñon
Mário de Andrade
            Humberto de Campos

A CARTOMANTE
                                                           Machado de Assis
HAMLET observa a Horácio que há mais cousas no céu e na terra do que sonha a nossa filosofia. Era a mesma explicação que dava a bela Rita ao moço Camilo, numa sexta-feira de novembro de 1869, quando este ria dela, por ter ido na véspera consultar uma cartomante; a diferença é que o fazia por outras palavras.
— Ria, ria. Os homens são assim; não acreditam em nada. Pois saiba que fui, e que ela adivinhou o motivo da consulta, antes mesmo que eu lhe dissesse o que era. Apenas começou a botar as cartas, disse-me: "A senhora gosta de uma pessoa..." Confessei que sim, e então ela continuou a botar as cartas, combinou-as, e no fim declarou-me que eu tinha medo de que você me esquecesse, mas que não era verdade...
— Errou! interrompeu Camilo, rindo.
— Não diga isso, Camilo. Se você soubesse como eu tenho andado, por sua causa. Você sabe; já lhe disse. Não ria de mim, não ria...
    Camilo pegou-lhe nas mãos, e olhou para ela sério e fixo. Jurou que lhe queria muito, que os seus sustos pareciam de criança; em todo o caso, quando tivesse algum receio, a melhor cartomante era ele mesmo. Depois, repreendeu-a; disse-lhe que era imprudente andar por essas casas. Vilela podia sabê-lo, e depois...
— Qual saber! tive muita cautela, ao entrar na casa.
— Onde é a casa?
— Aqui perto, na Rua da Guarda Velha; não passava ninguém nessa ocasião. Descansa; eu não sou maluca.
    Camilo riu outra vez:
— Tu crês deveras nessas cousas? perguntou-lhe.
    Foi então que ela, sem saber que traduzia Hamlet em vu]gar, disse-lhe que havia muita cousa misteriosa e verdadeira neste mundo. Se ele não acreditava, paciência; mas o certo é que a cartomante adivinhara tudo. Que mais? A prova é que ela agora estava tranqüila e satisfeita.
    Cuido que ele ia falar, mas reprimiu-se. Não queria arrancar-lhe as ilusões. Também ele, em criança, e ainda depois, foi supersticioso, teve um arsenal inteiro de crendices, que a mãe lhe incutiu e que aos vinte anos desapareceram. No dia em que deixou cair toda essa vegetação parasita, e ficou só o tronco da religião, ele, como tivesse recebido da mãe ambos os ensinos, envolveu-os na mesma dúvida, e logo depois em uma só negação total. Camilo não acreditava em nada. Por quê? Não poderia dizê-lo, não possuía um só argumento: limitava-se a negar tudo. E digo mal, porque negar é ainda afirmar, e ele não formulava a incredulidade; diante do mistério, contentou-se em levantar os ombros, e foi andando.
    Separaram-se contentes, ele ainda mais que ela. Rita estava certa de ser amada; Camilo, não só o estava, mas via-a estremecer e arriscar-se por ele, correr às cartomantes, e, por mais que a repreendesse, não podia deixar de sentir-se lisonjeado. A casa do encontro era na antiga Rua dos Barbonos, onde morava uma comprovinciana de Rita. Esta desceu pela Rua das Mangueiras, na direção de Botafogo, onde residia; Camilo desceu pela da Guarda Velha, olhando de passagcm para a casa da cartomante.
    Vilela, Camilo e Rita, três nomes, uma aventura e nenhuma explicação das origens. Vamos a ela. Os dois primeiros eram amigos de infância. Vilela seguiu a carreira de magistrado. Camilo entrou no funcionalismo, contra a vontade do pai, que queria vê-lo médico; mas o pai morreu, e Camilo preferiu não ser nada, até que a mãe lhe arranjou um emprego público. No princípio de 1869, voltou Vilela da província, onde casara com uma dama formosa e tonta; abandonou a magistratura e veio abrir banca de advogado. Camilo arranjou-lhe casa para os lados de Botafogo, e foi a bordo recebê-lo.
— É o senhor? exclamou Rita, estendendo-lhe a mão. Não imagina como meu marido é seu amigo, falava sempre do senhor.
    Camilo e Vilela olharam-se com ternura. Eram amigos deveras.
Depois, Camilo confessou de si para si que a mulher do Vilela não desmentia as cartas do marido. Realmente, era graciosa e viva nos gestos, olhos cálidos, boca fina e interrogativa. Era um pouco mais velha que ambos: contava trinta anos, Vilela vinte e nove e Camilo vinte e seis. Entretanto, o porte grave de Vilela fazia-o parecer mais velho que a mulher, enquanto Camilo era um ingênuo na vida moral e prática. Faltava-lhe tanto a ação do tempo, como os óculos de cristal, que a natureza põe no berço de alguns para adiantar os anos. Nem experiência, nem intuição.
    Uniram-se os três. Convivência trouxe intimidade. Pouco depois morreu a mãe de Camilo, e nesse desastre, que o foi, os dois mostraram-se grandes amigos dele. Vilela cuidou do enterro, dos sufrágios e do inventário; Rita tratou especialmente do coração, e ninguém o faria melhor.
    Como daí chegaram ao amor, não o soube ele nunca. A verdade é que gostava de passar as horas ao lado dela, era a sua enfermeira moral, quase uma irmã, mas principalmente era mulher e bonita. Odor di femmina: eis o que ele aspirava nela, e em volta dela, para incorporá-lo em si próprio. Liam os mesmos livros, iam juntos a teatros e passeios. Camilo ensinou-lhe as damas e o xadrez e jogavam às noites; — ela mal, — ele, para lhe ser agradável, pouco menos mal. Até aí as cousas. Agora a ação da pessoa, os olhos teimosos de Rita, que procuravam muita vez os dele, que os consultavam antes de o fazer ao marido, as mãos frias, as atitudes insólitas. Um dia, fazendo ele anos, recebeu de Vilela uma rica bengala de presente e de Rita apenas um cartão com um vulgar cumprimento a lápis, e foi então que ele pôde ler no próprio coração, não conseguia arrancar os olhos do bilhetinho. Palavras vulgares; mas há vulgaridades sublimes, ou, pelo menos, deleitosas. A velha caleça de praça, em que pela primeira vez passeaste com a mulher amada, fechadinhos ambos, vale o carro de Apolo. Assim é o homem, assim são as cousas que o cercam.
    Camilo quis sinceramente fugir, mas já não pôde. Rita, como uma serpente, foi-se acercando dele, envolveu-o todo, fez-lhe estalar os ossos num espasmo, e pingou-lhe o veneno na boca. Ele ficou atordoado e subjugado. Vexame, sustos, remorsos, desejos, tudo sentiu de mistura, mas a batalha foi curta e a vitória delirante. Adeus, escrúpulos! Não tardou que o sapato se acomodasse ao pé, e aí foram ambos, estrada fora, braços dados, pisando folgadamente por cima de ervas e pedregulhos, sem padecer nada mais que algumas saudades, quando estavam ausentes um do outro. A confiança e estima de Vilela continuavam a ser as mesmas.
    Um dia, porém, recebeu Camilo uma carta anônima, que lhe chamava imoral e pérfido, e dizia que a aventura era sabida de todos. Camilo teve medo, e, para desviar as suspeitas, começou a rarear as visitas à casa de Vilela. Este notou-lhe as ausências. Camilo respondeu que o motivo era uma paixão frívola de rapaz. Candura gerou astúcia. As ausências prolongaram-se, e as visitas cessaram inteiramente. Pode ser que entrasse também nisso um pouco de amor-próprio, uma intenção de diminuir os obséquios do marido, para tornar menos dura a aleivosia do ato.
    Foi por esse tempo que Rita, desconfiada e medrosa, correu à cartomante para consultá-la sobre a verdadeira causa do procedimento de Camilo. Vimos que a cartomante restituiu-lhe a confiança, e que o rapaz repreendeu-a por ter feito o que fez. Correram ainda algumas semanas. Camilo recebeu mais duas ou três cartas anônimas, tão apaixonadas, que não podiam ser advertência da virtude, mas despeito de algum pretendente; tal foi a opinião de Rita, que, por outras palavras mal compostas, formulou este pensamento: — a virtude é preguiçosa e avara, não gasta tempo nem papel; só o interesse é ativo e pródigo.
    Nem por isso Camilo ficou mais sossegado; temia que o anônimo fosse ter com Vilela, e a catástrofe viria então sem remédio. Rita concordou que era possível.
— Bem, disse ela; eu levo os sobrescritos para comparar a letra com as das cartas que lá aparecerem; se alguma for igual, guardo-a e rasgo-a...
    Nenhuma apareceu; mas daí a algum tempo Vilela começou a mostrar-se sombrio, falando pouco, como desconfiado. Rita deu-se pressa em dizê-lo ao outro, e sobre isso deliberaram. A opinião dela é que Camilo devia tornar à casa deles, tatear o marido, e pode ser até que lhe ouvisse a confidência de algum negócio particular. Camilo divergia; aparecer depois de tantos meses era confirmar a suspeita ou denúncia. Mais valia acautelarem-se, sacrificando-se por algumas semanas. Combinaram os meios de se corresponderem , em caso de necessidade, e separaram-se com lágrimas.
    No dia seguinte, estando na repartição, recebeu Camilo este bilhete de Vilela: "Vem já, já, à nossa casa; preciso falar-te sem demora." Era mais de meio-dia. Camilo saiu logo; na rua, advertiu que teria sido mais natural chamá-lo ao escritório; por que em casa? Tudo indicava matéria especial, e a letra, fosse realidade ou ilusão, afigurou-se-lhe trêmula. Ele combinou todas essas cousas com a notícia da véspera.
— Vem já, já, à nossa casa; preciso falar-te sem demora, — repetia ele com os olhos no papel.
    Imaginariamente, viu a ponta da orelha de um drama, Rita subjugada e lacrimosa, Vilela indignado, pegando da pena e escrevendo o bilhete, certo de que ele acudiria, e esperando-o para matá-lo. Camilo estremeceu, tinha medo: depois sorriu amarelo, e em todo caso repugnava-lhe a idéia de recuar, e foi andando. De caminho, lembrou-se de ir a casa; podia achar algum recado de Rita, que lhe explicasse tudo. Não achou nada, nem ninguém. Voltou à rua, e a idéia de estarem descobertos parecia-lhe cada vez mais verossímil; era natural uma denúncia anônima, até da própria pessoa que o ameaçara antes; podia ser que Vilela conhecesse agora tudo. A mesma suspensão das suas visitas, sem motivo aparente, apenas com um pretexto fútil, viria confirmar o resto.
    Camilo ia andando inquieto e nervoso. Não relia o bilhete, mas as palavras estavam decoradas, diante dos olhos, fixas, ou então, — o que era ainda pior, — eram-lhe murmuradas ao ouvido, com a própria voz de Vilela. "Vem já, já, à nossa casa; preciso falar-te sem demora." Ditas assim, pela voz do outro, tinham um tom de mistério e ameaça. Vem, já, já, para quê? Era perto de uma hora da tarde. A comoção crescia de minuto a minuto. Tanto imaginou o que se iria passar, que chegou a crê-lo e vê-lo. Positivamente, tinha medo. Entrou a cogitar em ir armado, considerando que, se nada houvesse, nada perdia, e a precaução era útil. Logo depois rejeitava a idéia, vexado de si mesmo, e seguia, picando o passo, na direção do Largo da Carioca, para entrar num tílburi. Chegou, entrou e mandou seguir a trote largo.
    "Quanto antes, melhor, pensou ele; não posso estar assim..."
    Mas o mesmo trote do cavalo veio agravar-lhe a comoção. O tempo voava, e ele não tardaria a entestar com o perigo. Quase no fim da Rua da Guarda Velha, o tílburi teve de parar, a rua estava atravancada com uma carroça, que caíra. Camilo, em si mesmo, estimou o obstáculo, e esperou. No fim de cinco minutos, reparou que ao lado, à esquerda, ao pé do tílburi, ficava a casa da cartomante, a quem Rita consultara uma vez, e nunca ele desejou tanto crer na lição das cartas. Olhou, viu as janelas fechadas, quando todas as outras estavam abertas e pejadas de curiosos do incidente da rua. Dir-se-ia a morada do indiferente Destino.
    Camilo reclinou-se no tílburi, para não ver nada. A agitação dele era grande, extraordinária, e do fundo das camadas morais emergiam alguns fantasmas de outro tempo, as velhas crenças, as superstições antigas. O cocheiro propôs-lhe voltar à primeira travessa, e ir por outro caminho: ele respondeu que não, que esperasse. E inclinava-se para fitar a casa... Depois fez um gesto incrédulo: era a idéia de ouvir a cartomante, que lhe passava ao longe, muito longe, com vastas asas cinzentas; desapareceu, reapareceu, e tornou a esvair-se no cérebro; mas daí a ponco moveu outra vez as asas, mais perto, fazendo uns giros concêntricos... Na rua, gritavam os homens, safando a carroça:
— Anda! agora! empurra! vá! vá!
    Daí a pouco estaria removido o obstáculo. Camilo fechava os olhos, pensava em outras cousas: mas a voz do marido sussurrava-lhe a orelhas as palavras da carta: "Vem, já, já..." E ele via as contorções do drama e tremia. A casa olhava para ele. As pernas queriam descer e entrar . Camilo achou-se diante de um longo véu opaco... pensou rapidamente no inexplicável de tantas cousas. A voz da mãe repetia-lhe uma porção de casos extraordinários: e a mesma frase do príncipe de Dinamarca reboava-lhe dentro: "Há mais cousas no céu e na terra do que sonha a filosofia... " Que perdia ele, se... ?
    Deu por si na calçada, ao pé da porta: disse ao cocheiro que esperassee, e rápido enfiou pelo corredor, e subiu a escada. A luz era pouca, os degraus comidos dos pés, o corrimão pegajoso; mas ele não, viu nem sentiu nada. Trepou e bateu. Não aparecendo ninguém, teve idéia de descer; mas era tarde, a curiosidade fustigava-lhe o sangue, as fontes latejavam-lhe; ele tornou a bater uma, duas, três pancadas. Veio uma mulher; era a cartomante. Camilo disse que ia consultá-la, ela fê-lo entrar. Dali subiram ao sótão, por uma escada ainda pior que a primeira e mais escura. Em cima, havia uma salinha, mal alumiada por uma janela, que dava para o telhado dos fundos. Velhos trastes, paredes sombrias, um ar de pobreza, que antes aumentava do que destruía o prestígio.
    A cartomante fê-lo sentar diante da mesa, e sentou-se do lado oposto, com as costas para a janela, de maneira que a pouca luz de fora batia em cheio no rosto de Camilo. Abriu uma gaveta e tirou um baralho de cartas compridas e enxovalhadas. Enquanto as baralhava, rapidamente, olhava para ele, não de rosto, mas por baixo dos olhos. Era uma mulher de quarenta anos, italiana, morena e magra, com grandes olhos sonsos e agudos. Voltou três cartas sobre a mesa, e disse-lhe:
— Vejamos primeiro o que é que o traz aqui. O senhor tem um grande susto...
    Camilo, maravilhado, fez um gesto afirmativo.
— E quer saber, continuou ela, se lhe acontecerá alguma cousa ou não...
— A mim e a ela, explicou vivamente ele.
    A cartomante não sorriu: disse-lhe só que esperasse. Rápido pegou outra vez das cartas e baralhou-as, com os longos dedos finos, de unhas descuradas; baralhou-as bem, transpôs os maços, uma, duas. três vezes; depois começou a estendê-las. Camilo tinha os olhos nela. curioso e ansioso.
— As cartas dizem-me...
    Camilo inclinou-se para beber uma a uma as palavras. Então ela declarou-lhe que não tivesse medo de nada. Nada aconteceria nem a um nem a outro; ele, o terceiro, ignorava tudo. Não obstante, era indispensável muita cautela: ferviam invejas e despeitos. Falou-lhe do amor que os ligava, da beleza de Rita. . . Camilo estava deslumbrado. A cartomante acabou, recolheu as cartas e fechou-as na gaveta.
— A senhora restituiu-me a paz ao espírito, disse ele estendedo a mão por cima da mesa e apertando a da cartomante.
    Esta levantou-se, rindo.
— Vá, disse ela; vá, ragazzo innamorato...
    E de pé, com o dedo indicador, tocou-lhe na testa. Camilo estremeceu, como se fosse a mão da própria sibila, e levantou-se também. A cartomante foi à cômoda, sobre a qual estava um prato com passas, tirou um cacho destas, começou a despencá-las e comê-las, mostrando duas fileiras de dentes que desmentiam as unhas. Nessa mesma ação comum, a mulher tinha um ar particular. Camilo, ansioso por sair, não sabia como pagasse; ignorava o preço.
— Passas custam dinheiro, disse ele afinal, tirando a carteira. Quantas quer mandar buscar?
— Pergunte ao seu coração, respondeu ela.
    Camilo tirou uma nota de dez mil-réis, e deu-lha. Os olhos da cartomante fuzilaram. O preço usual era dois mil-réis.
— Vejo bem que o senhor gosta muito dela... E faz bem; ela gosta muito do senhor. Vá, vá, tranqüilo. Olhe a escada, é escura; ponha o chapéu...
    A cartomante tinha já guardado a nota na algibeira, e descia com ele, falando, com um leve sotaque. Camilo despediu-se dela embaixo, e desceu a escada que levava à rua, enquanto a cartomante, alegre com a paga, tornava acima, cantarolando uma barcarola. Camilo achou o tílburi esperando; a rua estava livre. Entrou e seguiu a trote largo.
    Tudo lhe parecia agora melhor, as outras cousas traziam outro aspecto, o céu estava límpido e as caras joviais. Chegou a rir dos seus receios, que chamou pueris; recordou os termos da carta de Vilela e reconheceu que eram íntimos e familiares. Onde é que ele lhe descobrira a ameaça? Advertiu também que eram urgentes, e que fizera mal em demorar-se tanto; podia ser algum negócio grave e gravíssimo.
— Vamos, vamos depressa, repetia ele ao cocheiro.
    E consigo, para explicar a demora ao amigo, engenhou qualquer cousa; parece que formou também o plano de aproveitar o incidente para tornar à antiga assiduidade... De volta com os planos, reboavam-lhe na alma as palavras da cartomante. Em verdade, ela adivinhara o objeto da consulta, o estado dele, a existência de um terceiro; por que não adivinharia o resto? O presente que se ignora vale o futuro. Era assim, lentas e contínuas, que as velhas crenças do rapaz iam tornando ao de cima, e o mistério empolgava-o com as unhas de ferro. Às vezes queria rir, e ria de si mesmo, algo vexado; mas a mulher, as cartas, as palavras secas e afirmativas, a exortação: — Vá, vá, ragazzo innamorato; e no fim, ao longe, a barcarola da despedida, lenta e graciosa, tais eram os elementos recentes, que formavam, com os antigos, uma fé nova e vivaz.
    A verdade é que o coração ia alegre e impaciente, pensando nas horas felizes de outrora e nas que haviam de vir. Ao passar pela Glória, Camilo olhou para o mar, estendeu os olhos para fora, até onde a água e o céu dão um abraço infinito, e teve assim uma sensação do futuro, longo, longo, interminável.
    Daí a ponco chegou à casa de Vilela. Apeou-se, empurrou a porta de ferro do jardim e entrou. A casa estava silenciosa. Subiu os seis degraus de pedra, e mal teve tempo de bater, a porta abriu-se, e apareceu-lhe Vilela.
— Desculpa, não pude vir mais cedo; que há?
    Vilela não lhe respondeu; tinha as feições decompostas; fez-lhe sinal, e foram para uma saleta interior. Entrando, Camilo não pôde sufocar um grito de terror: — ao fundo sobre o canapé, estava Rita morta e ensangüentada. Vilela pegou-o pela gola, e, com dois tiros de revólver, estirou-o morto no chão.


Terceira parte:          Cite cronistas brasileiros contemporâneos e transcreva uma crônca de sua escolha
            LuiZ Fernando Veríssimo
            Arnaldo Jabor
Millôr Fernandes
            João Ubaldo Ribeiro
           
CRÔNICA DE LUIZ FERNANDO VERÍSSIMO:
Para se roubar um coração, é preciso que seja com muita habilidade, tem que ser vagarosamente, disfarçadamente, não se chega com ímpeto,
não se alcança o coração de alguém com pressa.
Tem que se aproximar com meias palavras, suavemente, apoderar-se dele aos poucos, com cuidado.
Não se pode deixar que percebam que ele será roubado, na verdade, teremos que furtá-lo, docemente.
Conquistar um coração de verdade dá trabalho,
requer paciência, é como se fosse tecer uma colcha de retalhos, aplicar uma renda em um vestido, tratar de um jardim, cuidar de uma criança.
É necessário que seja com destreza, com vontade, com encanto, carinho e sinceridade.
Para se conquistar um coração definitivamente
tem que ter garra e esperteza, mas não falo dessa esperteza que todos conhecem, falo da esperteza de sentimentos, daquela que existe guardada na alma em todos os momentos.
Quando se deseja realmente conquistar um coração, é preciso que antes já tenhamos conseguido conquistar o nosso, é preciso que ele já tenha sido explorado nos mínimos detalhes,
que já se tenha conseguido conhecer cada cantinho, entender cada espaço preenchido e aceitar cada espaço vago.
...e então, quando finalmente esse coração for conquistado, quando tivermos nos apoderado dele,
vai existir uma parte de alguém que seguirá conosco.
Uma metade de alguém que será guiada por nós
e o nosso coração passará a bater por conta desse outro coração.
Eles sofrerão altos e baixos sim, mas com certeza haverá instantes, milhares de instantes de alegria.
Baterá descompassado muitas vezes e sabe por que?
Faltará a metade dele que ainda não está junto de nós.
Até que um dia, cansado de estar dividido ao meio, esse coração chamará a sua outra parte e alguém por vontade própria, sem que precisemos roubá-la ou furtá-la nos entregará a metade que faltava.
... e é assim que se rouba um coração, fácil não?
Pois é, nós só precisaremos roubar uma metade,
a outra virá na nossa mão e ficará detectado um roubo então!
E é só por isso que encontramos tantas pessoas pela vida a fora que dizem que nunca mais conseguiram amar alguém... é simples...
é porque elas não possuem mais coração, eles foram roubados, arrancados do seu peito, e somente com um grande amor ela terá um novo coração, afinal de contas, corações são para serem divididos, e com certeza esse grande amor repartirá o dele com você.”