quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Imitação
Uma maré negra, insondável,
De orgulho interminável...
A vida que eu tive outrora
Seria mistério, ilusão...
Um sonho que se infundia
De loucas ideias da aurora
Com os seres que antes havia,
Que minha alma não veria,
Deixasse-os eu transcorrer
Com olhos de fantasia!
Não guarde a terra o legado
Daquilo que foi revelado
Ao meu espírito: o pensamento
Que o prendia... o encantamento...
Pois tal ânsia luminosa
Se findou, e o tempo neste mundo
Acabou com um suspiro fundo;
Pouco importa! Morra embora
Com uma ideia que amei outrora...
Edgar Allan Poe
(Boston, 19 de Janeiro de 1809 - Baltimore)