sábado, 27 de junho de 2009

Rubem Fonseca


Algumas informações sobre um autor brasileiro muito conhecido por romances de mistério e ganhador do prêmio Jabuti de 2008.




Rubem Fonseca
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Rubem Fonseca
Nascimento 11 de Maio de 1925 (84 anos)
Juiz de Fora, Brasil
Nacionalidade Bandeira do Brasil Brasileira
Ocupação Escritor
Principais trabalhos Agosto, O Caso Morel, O Selvagem da Ópera, etc.

José Rubem Fonseca (Juiz de Fora, 11 de maio de 1925) é um escritor e roteirista de cinema brasileiro.

É formado em Direito, tendo exercido várias atividades antes de dedicar-se inteiramente à literatura. Em 2003, venceu o Prémio Camões, o mais prestigiado galardão literário para a língua portuguesa, uma espécie de Prémio Nobel para escritores lusófonos.
Reconhecidamente uma pessoa que, como Dalton Trevisan, adora o anonimato, é descrito por amigos como pessoa simples, afável e de ótimo humor.

As obras de Rubem Fonseca geralmente retratam, em estilo seco e direto, a luxúria e a violência urbana, em um mundo onde marginais, assassinos, prostitutas, delegados e pobres-coitados se misturam. A história através da ficção é também uma marca de Rubem Fonseca, como nos romances Agosto (seu livro mais famoso) em que retratava as conspirações que resultaram no suicídio de Getúlio Vargas, e em O Selvagem da Ópera em que retrata a vida de Carlos Gomes, ou ainda sobre a obra A Cavalaria Vermelha, livro de Isaac Babel retratado em Vastas Emoções e Pensamentos Imperfeitos.

Criou, para protagonizar alguns de seus contos e romances, um personagem antológico: o advogado Mandrake, mulherengo, cínico e amoral, além de profundo conhecer do submundo carioca. Mandrake foi transformado em série para a rede de televisão HBO, com roteiros de José Henrique Fonseca, filho de Rubem, e o ator Marcos Palmeira no papel-título.

Sendo profundamente interessado na arte cinematográfica, escreve também roteiros para filmes, muitos premiados.

É viúvo de Théa Maud e tem três filhos: Maria Beatriz, José Alberto e o cineasta José Henrique Fonseca.

Bibliografia

* Os prisioneiros (contos, 1963)
* A coleira do cão (contos, 1965)
* Lúcia McCartney (contos, 1967)
* O homem de fevereiro ou março (antologia, 1973)
* O caso Morel (romance, 1973)
* Feliz Ano Novo (contos, 1975)
* O cobrador (contos, 1979)
* A grande arte (romance, 1983)
* Bufo & Spallanzani (romance, 1986)
* Vastas emoções e pensamentos imperfeitos (romance, 1988)
* Agosto (romance, 1990)
* Romance negro e outras histórias (contos, 1992)
* O selvagem da ópera (romance, 1994)
* O buraco na parede (contos, 1995)
* Histórias de amor (contos, 1997)
* E do meio do mundo prostituto só amores guardei ao meu charuto (novela, 1997)
* A confraria dos espadas (contos, 1998)
* O doente Molière (romance, 2000)
* Secreções, excreções e desatinos (contos, 2001)
* Pequenas criaturas (contos, 2002)
* Diário de um fescenino (romance, 2003)
* 64 Contos de Rubem Fonseca (contos, 2004)
* Mandrake, a bíblia e a bengala (romance, 2005)
* Ela e outras mulheres (contos, 2006)
* O romance morreu (crônicas, 2007).

Seus contos reunidos foram publicados em 1994.

Prêmios

* Coruja de Ouro pelo roteiro de Relatório de um homem casado, filme dirigido por Flávio Tambellini
* Kikito de Ouro do Festival de Gramado, pelo roteiro de Stelinha, dirigido por Miguel Faria Jr.
* Prêmio da Associação Paulista de Críticos de Arte pelo roteiro de A grande arte, filme dirigido por Walter Salles Jr.
* Prêmio Jabuti

quinta-feira, 25 de junho de 2009

Um homem só....mas.....










Quem não gostaria de levar para casa?

terça-feira, 23 de junho de 2009

Prêmio da ONU para brasileira


ALUNA BRASILEIRA DE DIREITO GANHA CONCURSO MUNDIAL DE REDAÇÃO
Prestem atenção à beleza da redação dessa moça. Com que facilidade ela descreve a atual situação de contradições.

Dá gosto saber que existem jovens engajados, cultos e com capacidade para colocar em palavras uma situação como a que estamos presenciando.


BRASILEIRA GANHA CONCURSO MUNDIAL DE REDAÇÃO










REDAÇÃO DE ESTUDANTE CARIOCA VENCE CONCURSO DA UNESCO COM 50.000 PARTICIPANTES



Tema: 'Como vencer a pobreza e a desigualdade'
Por Clarice Zeitel Vianna Silva
UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro - Rio de Janeiro/RJ




PÁTRIA MADRASTA VIL

Onde já se viu tanto excesso de falta? Abundância de inexistência... Exagero de escassez... Contraditórios??
Então aí está! O novo nome do nosso país! Não pode haver sinônimo melhor para BRASIL..


Porque o Brasil nada mais é do que o excesso de falta de caráter, a abundância de inexistência de solidariedade, o exagero de escassez de responsabilidade.
O Brasil nada mais é do que uma combinação mal engendrada - e friamente sistematizada - de contradições.
Há quem diga que 'dos filhos deste solo és mãe gentil.', mas eu digo que não é gentil e, muito menos, mãe.

Pela definição que eu conheço de MÃE, o Brasil está mais para madrasta vil.


A minha mãe não 'tapa o sol com a peneira'. Não me daria, por exemplo, um lugar na universidade sem ter-me dado uma bela formação básica.
E mesmo há 200 anos atrás não me aboliria da escravidão se soubesse que me restaria a liberdade apenas para morrer de fome.
Porque a minha mãe não iria querer me enganar, iludir. Ela me daria um verdadeiro Pacote que fosse efetivo na resolução do problema, e que contivesse educação + liberdade + igualdade. Ela sabe que de nada me adianta ter educação pela metade, ou tê-la aprisionada pela falta de oportunidade, pela falta de escolha, acorrentada pela minha voz-nada-ativa. A minha mãe sabe que eu só vou crescer se a minha educação gerar liberdade e esta, por fim, igualdade. Uma segue a outra... Sem nenhuma contradição!
É disso que o Brasil precisa: mudanças estruturais, revolucionárias, que quebrem esse sistema-esquema social montado; mudanças que não sejam hipócritas, mudanças que transformem!
A mudança que nada muda é só mais uma contradição. Os governantes (às vezes) dão uns peixinhos, mas não ensinam a pescar.
E a educação libertadora entra aí. O povo está tão paralisado pela ignorância que não sabe a que tem direito. Não aprendeu o que é ser cidadão.
Porém, ainda nos falta um fator fundamental para o alcance da igualdade: nossa participação efetiva; as mudanças dentro do corpo burocrático do Estado não modificam a estrutura. As classes média e alta - tão confortavelmente situadas na pirâmide social - terão que fazer mais do que reclamar (o que só serve mesmo para aliviar nossa culpa)... Mas estão elas preparadas para isso?
Eu acredito profundamente que só uma revolução estrutural, feita de dentro pra fora e que não exclua nada nem ninguém de seus efeitos, possa acabar com a pobreza e desigualdade no Brasil.

Afinal, de que serve um governo que não administra? De que serve uma mãe que não afaga? E, finalmente, de que serve um Homem que não se posiciona?


Talvez o sentido de nossa própria existência esteja ligado, justamente, a um posicionamento perante o mundo como um todo.
Sem egoísmo. Cada um por todos...
Algumas perguntas, quando auto-indagadas, se tornam elucidativas. Pergunte-se: quero ser pobre no Brasil? Filho de uma mãe gentil ou de uma madrasta vil? Ser tratado como cidadão ou excluído?
Como gente... Ou como bicho?

Premiada pela UNESCO, Clarice Zeitel, de 26 anos, estudante que termina faculdade de direito da UFRJ em julho, concorreu com outros 50 mil estudantes universitários. Ela acaba de voltar de Paris, onde recebeu um prêmio da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) por uma redação sobre 'Como vencer a pobreza e a desigualdade'.

A redação de Clarice intitulada `Pátria Madrasta Vil´ foi incluída num livro, com outros cem textos selecionados no concurso. A publicação está disponível no site da Biblioteca Virtual da Unesco.

domingo, 21 de junho de 2009

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Mãe é quem cria



Mãe é quem cria


Assim que chegou a um centro de resgate para aves de rapina, em Cornualha, no Reino Unido, a bebê coruja Bramble tratou de encontrar uma nova mãe. E a escolha foi bem incomum: a cadela Sophie, da raça cocker spaniel.

Aos três anos, Sophie usa seu instinto maternal para cuidar da corujinha, que, segundo o jornal “The Sun”, ganha até banhos à base de lambidas.

A ave parece ter gostado tanto do tratamento que passou a voar até a casa principal do centro, onde vive Sophie, para a sua higiene diária, digamos.



“Quando Bramble chegou ela não tinha penas, e teve que ficar confinada dentro de casa. No primeiro dia, Bramble encostou no sofá onde Sophie estava, e a cadela a limpou. A partir de então, elas se tornaram inseparáveis”, afirma Sharon Bindon, que dirige o centro.

terça-feira, 16 de junho de 2009

Conselheiros da Petrobas



Conselheiros da PETROBRAS (veja abaixo alguns)
Pena que não informaram os nomes do resto da camarilha. Por essas e muitas outras é que os combustíveis não podem baixar de preço. Dá pra imaginar o bordel que não é essa empresa.
A quadrilha governante nem dá bola para o fato de se tratar de uma Sociedade Anônima de Capital Aberto, que possui 750.000 (setencentos e cinquanta mil) acionistas(proprietários). Como o Governo (PT) detém a maioria do capital votante, o partido deita e rola encima da dinheirama.Daí o verdadeiro PAVOR de CPI. Aliás, basta ver a cara de areia mijada do tal de Gabriele - um debochado e incompetente - para se ter idéia da verdadeira farra que se instalou lá dentro. É bom frisar que a capitalização da empresa foi feita inclusive com recursos do FGTS, isto é, dinheiro de TRABALHADORES,que deveriam ser razão da existência da "ilibada" agremiação política que "comanda este operoso governo" ...
É de chorar!!
Repassando

Só em uma estatal. Já imaginou se tudo fosse estatizado como muitos querem? Acontecia o mesmo na Vale do Rio Doce.

Conselheiros da Petrobras
Data: 08/06/09 19:51
Deu no jormal "valor " de 11 de maio de 2009


Ata da Assembeia Geral ordinaria da Petrobras de 8 de abril de 2009
Valor da reserva para pagamento aos 9 Conselheiros:R$ 8.266.600,00
Valor anual para cada Conselheiro:R$ 918.511,11
Valor mensal: R$ 76.542,59

Conselheiros:

Min da Casa Civil: Dilma Vana Rousseff
Min da Fazenda: Min Mantega
Sec de comunicaçoes: Franklin Martins




ÊTA PAÍS FORTE , QUE AINDA NÃO DESMORONOU . . .

domingo, 14 de junho de 2009

sábado, 13 de junho de 2009

Acidente Curitiba entre Ex-Deputado De Carli e Yared

Vídeo mostra a adulteração das provas contra ex-deputado.

terça-feira, 9 de junho de 2009

Raul Seixas falando sobre filosofia

O filósofo explica...

Rubem Braga: um grande cronista


Recado ao senhor 903

Vizinho –

Quem fala aqui é o homem do 1003. Recebi outro dia, consternado, a visita do zelador, que me mostrou a carta em que o senhor reclamava do barulho em meu apartamento. Recebi depois a sua própria visita pessoal – devia ser meia-noite – e a sua veemente reclamação verbal. Devo dizer que estou desolado com tudo isso, e lhe dou inteira razão. O regulamento do prédio é explícito e, se não o fosse, o senhor, ainda teria ao seu lado a Lei e a Polícia. Quem trabalha o dia inteiro tem direito ao repouso noturno e é impossível repousar no 903 quando há vozes, passos e músicas no 1003. Ou melhor: é impossível ao 903 dormir quando o 1003 se agita; pois como não sei seu nome nem o senhor sabe o meu, ficamos reduzidos a ser dois números, dois números empilhados entre dezenas de outros. Eu, 1003, me limito a Leste pelo 1005, a Oeste pelo 1001, ao Sul pelo Oceano Atlântico, ao Norte pelo 1004, ao alto pelo 1103 e embaixo pelo 903 – que é o senhor. Todos esses números são comportados e silenciosos; apenas eu e o Oceano Atlântico fazemos algum ruído e funcionamos fora dos horários civis; nós dois nos agitamos e bramimos ao sabor da maré, dos ventos e da lua. Prometo sinceramente adotar, depois das 22 horas, de hoje em diante, um comportamento de manso lago azul. Prometo. Quem vier à minha casa ( perdão; ao meu número) será convidado a se retirar às 21:45, e explicarei: o 903 precisa repousar das 22 às 7 pois às 8:15 deve deixar o 783 para tomar o 109 que o levará até o 527 de outra rua, onde ele trabalha na sala 305. Nossa vida, vizinho, está toda numerada; e reconheço que ela só pode ser tolerável quando um número não incomoda outro número, mas o respeita, ficando dentro dos limites de seus algarismos. Peço-lhe desculpas – e prometo silêncio.

...Mas que me seja permitido sonhar co outra vida e com outro mundo, em que um homem batesse à porta do outro e dissesse: “Vizinho, são três horas da manhã e ouvi música em tua casa. Aqui estou”. E o outro respondesse: “Entra, vizinho e come do meu pão e bebe do meu vinho. Aqui estamos todos a bailar e cantar, pois descobrimos que a vida é curta e a lua é bela”.

E o homem trouxesse sua mulher, e os dois ficassem entre os amigos e amigas do vizinho entoando canções para agradecer a Deus o brilho das estrelas e o murmúrio da brisa nas árvores, e o dom da vida, e a amizade entre os humanos, e o a mor e a paz.

Rubem Braga. In: Para gostar de ler. Vol. 1. São Paulo: Ed. Ática.

quarta-feira, 3 de junho de 2009

A mulher desiludida

A autora de A mulher desiludida, Simone de Beauvoir,foi uma das grandes ativistas do feminismo no século XX. Ficou famosa por seu polêmico ensaio O segundo sexo, de 1949, no qual introduziu um debate sobre a situação da mulher, usando paradigmas biológicos, marxistas, psicanalísticos e, chegando a conclusão de que as mulheres são alienadas por questões culturais.Foi casada com o filósofo existencialista Jean-Paul Sartre.

Nesse livro conta a história de três mulheres, que tinham feito confidências a ela, mostrando quão perto esse tipo de mulher está de nós mesmas e que, quem sabe, poderemos as próximas protagonistas dessas histórias.

 

1943 | A Convidada | L'Invitée | romance
1944 | Pyrrhus et Cinéas | ensaio
1945 | Les Bouches Inutiles | peça de teatro (em 2 atos e 8 quadros)
1945 | O Sangue dos Outros| Le Sang des Autres | romance
1946 | Todos os Homens são Mortais | Tous les Hommes sont Mortels | romance
1947 | Por uma Moral da Ambigüidade| Pour une Morale de l'Ambiguïté | ensaio
1947 | L'Amérique au Jour le Jour | ensaio
1948 | L'Existencialisme et la Sagesse des Nations | ensaio
1949 | O Segundo Sexo (I e II) | Le Deuxième Sexe | ensaio
1954 | Os Mandarins | Les Mandarins | romance
1955 | Privilèges | ensaio
1955 | Deve-se Queimar Sade?| Faut-il Brûler Sade? | ensaio
1955 | O Pensamento de Direita, Hoje| La Pensée de Droite, Aujourd'hui | ensaio
1957 | A Longa Marcha | La Longue Marche | ensaio
1958 | Memórias de uma Moça Bem-Comportada | Mémoires d'une Jeune Fille Rangée
1960 | A Força da Idade | La Force de l'Age | memórias
1962 | Djamila Boupacha | testemunho
1963 | A Força das Coisas | La Force des Choses | memórias
1964 | Uma Morte Muito Suave | Une Mort Très Douce | memórias
1966 | As Belas Imagens | Les Belles Images | romance
1968 | A Mulher Desiludida | La Femme Rompue | romance
1970 | A Velhice | La Vieillesse | ensaio
1972 | Balanço Final | Tout Compte Fait | memórias
1979 | Quando o Espiritual Domina |Quand Prime le Spirituel | romance
1981  | A Cerimônia do Adeus| La Cérémonie des Adieux | memórias
1990 | Journal de Guerre | memórias
1990 | Lettres à Sartre (I e II) | memórias
1997 | Cartas a Nelson Algren | Lettres à Nelson Algren | memórias
2004 | Correspondance Croisée (avec Jacques-Laurent Bost) | memórias

 

 


site de Beauvoir Society
Fundada em 1981, com sede na Califórnia (EUA), esta sociedade internacional organiza anualmente colóquios dos quais as contribuições dos participantes fornecem material para publicações denominadas Simone de Beauvoir Studies. Site bilíngüe: francês e inglês.

http://simonedebeauvoir.free.fr/


Les Pénélopes
O site tem como objetivo utilizar vários tipos de mídia a fim de promover, publicar e difundir informações ligadas ao universo feminino. Há uma seção exclusivamente destinada a Beauvoir com diversos artigos interessantes. Site em francês.

http://www.penelopes.org/archives/pages/sdb.htm


Autour de Simone de Beauvoir
Site pessoal de Suzanne Roy destinado a partilhar sua admiração pela vida e obra de Simone de Beauvoir, mas que pretende também suscitar discussões sobre as experiências dos leitores acerca de Simone de Beauvoir.
Site em francês.

http://autourdebeauvoir.net/index.php


Stanford Encyclopedia of Philosophy
O site da Universidade de Stanford, na Califórnia, possui uma seção dedicada à Filosofia contendo significativo material sobre a obra de Simone de Beauvoir. São 13 tópicos abordando sobretudo seus ensaios.
Site em inglês.

http://plato.stanford.edu/entries/beauvoir/


Centre Audiovisuel Simone de Beauvoir
Fundado em 1982, o Centre Audiovisuel Simone de Beauvoir tem o objetivo de identificar e preservar todos os documentos audiovisuais sobre os direitos, as lutas, a arte e criações das mulheres. Esta memória audiovisual pretende transmitir uma imagem positiva dos movimentos feministas, seu papel e seu lugar no mundo.
Site em francês e inglês.

http://www.centre-simone-de-beauvoir.com


Nova Fronteira
Site da editora que detém os direitos de tradução e publicação da obra de Simone de Beauvoir no Brasil. Consultando o catálogo é possível saber quais livros de Simone estão disponíveis, bem como comprá-los.

http://www.novafronteira.com.br/


Éditions Gallimard
Site da editora que detém os direitos de publicação da obra de Simone de Beauvoir na França. No catálogo da editora constam 63 títulos relacionados a Simone, distribuídos em diversas coleções.
Site em francês.

http://www.gallimard.fr/