segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Thaís de Massenet






Indicação de livros

No caderno Mais!, escritores e cineasta indicam o que ler nas férias

da Livraria da Folha
O caderno Mais! da Folha de S.Paulo deste domingo realizou uma seleção de livros para ler nas férias. As obras foram escolhidas por diversos escritores e um diretor de cinema.
Danuza Leão, de "De Malas Prontas", indicou obras para ler no carro, no avião, no ônibus ou no navio; enquanto Humberto Werneck, de "O Pais dos Burros", selecionou histórias para o Ano Novo.
Já o cineasta Cláudio Assis, dos filmes "Amarelo Manga" e "Baixio das Bestas", sugeriu livros para acompanhar uma cerveja, caipirinha ou água de coco. Modesto Carone, de "Lição de Kafka", escolheu o que ler quando se está só ou para espantar o tédio.
Outros autores, como Julio Medaglia, de "Música Impopular"; Ana Maria Machado, de "Mico Maneco"; e Ivo Barroso, de "A Caça Virtual", também indicaram leitura para as férias. Leia na íntegra, somente para assinantes da Folha e do UOL.
Veja abaixo alguns dos livros indicados por cada autor e pelo diretor de cinema:
*
Danuza Leão
Divulgação
Crítico gastronômico é tomado por obsessão no leito de morte
Crítico gastronômico é tomado por uma obsessão no leito de morte
"200 Crônicas Escolhidas"
O volume é uma reunião dos melhores textos produzidos por Rubem Braga entre 1935 e 1977. A escolha das crônicas foi feita pelo próprio autor, com base na seleção original do amigo Fernando Sabino.
"A Morte do Gourmet"
Conta a história de um crítico gastronômico que é tomado por uma obsessão no leito de morte: lembrar do sabor que mais o enfeitiçara em toda a vida. A viagem aos meandros do paladar começa na infância do protagonista, quando as artes culinárias da avó desabrocharam seu talento, e termina em sua consagração do profissional, quando celebrava momentos em que deliciava uma simples sardinha frita ou um inesquecível sorbet de laranja.
*
Humberto Werneck
Divulgação
Contos do livro falam sobre alcoolismo e casamentos em ruínas
Os contos do livro falam sobre alcoolismo e casamentos em ruínas
"Vista do Rio"
O livro de Rodrigo Lacerda fala sobre a amizade entre Marco Aurélio e Virgílio, da infância no imponente edifício Estrela de Ipanema, marco da arquitetura modernista carioca, à maturidade. O descompasso entre a arquitetura modernista e a realidade do país, a cidade do Rio de Janeiro e suas contradições, são alguns dos temas que acompanham os dramas vividos pelos personagens.
"Iniciantes"
Os contos de Raymond Carver foram publicados pela primeira vez em 1981. Apesar de falar de gente normal sem traços de genialidade, heroísmo ou arroubos românticos, o que mais impressiona é o caráter descentrado de seus personagens. São basicamente histórias de alcoolismo e de casamentos em ruínas, protagonizadas por figuras anônimas da classe trabalhadora envolvidas em sua luta inglória e quase sempre perdida por uma vida dentro dos inalcançáveis padrões do sonho americano.
*
Cláudio Assis
Divulgação
Contos 
autobiográficos revelam uma Havana sensual e perigosa
Contos autobiográficos revelam uma Havana sensual e perigosa
"Trilogia Suja de Havana"
O celebrado escritor cubano Pedro Juan Gutiérrez revela uma Havana sensual e perigosa nos contos em grande parte autobiográficos deste livro. Corajoso testemunho da crise cubana dos anos 90, mostra uma Havana na qual faltam trabalho e alimentos, mas sobram sexo, rum e drogas. No calor sufocante de habitações miseráveis, sob o inclemente sol caribenho, os personagens procuram todas as formas possíveis de sobrevivência.
"Meu Último Suspiro"
Luis Buñuel definiu o livro como "semibiográfico". Por não se considerar um homem da escrita, chamou seu constante colaborador em filmes, Jean-Claude Carrière, para auxiliá-lo neste roteiro que retrata a origem, os erros e acertos, as dúvidas e certezas do cineasta que levou o surrealismo ao cinema, em parceria com nomes como Salvador Dalí e Garcia Lorca.
*
Modesto Carone
Divulgação
"O Imitador de Vozes", do escritor e dramaturgo austríaco
 Thomas Bernhard
"O Imitador de Vozes", do escritor austríaco Thomas Bernhard
"O Imitador de Vozes"
Neste livro, o escritor e dramaturgo austríaco Thomas Bernhard se guia por um acúmulo mais horizontal e variado de situações, uma sucessão desconcertante de incêndios, enforcamentos, desastres naturais, excursões turísticas malsucedidas, brigas por heranças e toda sorte de fatos patéticos contados por narradores que misturam espanto e ironia nas frestas de um registro falsamente neutro.
Ao final, o conjunto acaba apontando para os tradicionais alvos de Bernhard: a sociedade regida pelas aparências, sob as quais se esconde a memória de um tempo caracterizado por catástrofes políticas e sociais, na qual pouco resta ao homem além da consciência e da revolta contra sua própria condição limitada, mesquinha, muitas vezes ridícula.
"A Via Crucis do Corpo"
Publicados pela primeira vez em 1974, os 13 contos que compõem a obra de Clarice Lispector são precedidos por uma explicação da autora. Relata o cárcere social no qual a mulher vive, cárcere esse que se restringe a seus desejos e fantasias. De forma maestra, Clarice descreve as transgressões como incursões diárias no universo feminino

Livro Infantil de Paul McCartney

Lá no alto das Nuvens é o livro infantil publicado por Paul McCartney.As críticas são boas, vale conferir.


sábado, 26 de dezembro de 2009

Relembrando

 Relembrar é viver e ver esse casal dançando, cena de um filme famoso, é muito bom!





terça-feira, 22 de dezembro de 2009

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Fotojornalismo-James Agee e Walker Evans







James Agee tem obra lançada no centenário de seu nascimento
Um deles é "Morte na Família", justamente o que lhe rendeu, ainda que postumamente, a mais importante láurea literária à sua obra. E, se não fosse pelo lançamento de "Elogiemos os Homens Ilustres", o centenário do nascimento do escritor, poeta, jornalista, roteirista e crítico cinematográfico, que se completa neste dia 27, passaria em branco.
Considerada como um dos mais profundos retratos dos Estados Unidos da Grande Depressão, a obra nasceu de uma grande reportagem para a revista "Fortune" para a qual Agee e o fotógrafo Walker Evans haviam sido escalados. Durante cerca de um mês, eles conviveram com famílias de meeiros pobres no estado do Alabama.
O texto nunca chegou a ser publicado nas páginas do periódico, mas deu origem a um livro que se tornou importante referência para estudos de jornalismo, literatura e antropologia. As 61 fotos de Evans que abrem a edição brasileira preparam o terreno para toda a dor e a desesperança que é descrita por Agee.(folhaonline)



segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

domingo, 13 de dezembro de 2009

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

O MEU SONETO

Em atitudes e em ritmos fleumáticos, Erguendo as mãos em gestos recolhidos,
Todos os brocados fúlgidos, hieráticos, 
Em ti andam bailando os meus sentidos... 


E os meus olhos serenos, enigmáticos, 
Meninos que na estrada andam perdidos, 
Dolorosos, tristíssimos, extáticos, 
São letras de poemas nunca lidos... 


As magnólias abertas dos meus dedos 
São mistérios, são filtros, são enredos 
Que pecados d’amor trazem de rastos... 



E a minha boca, a rútila manhã, 
Na Via Láctea, lírica, pagã, 
A rir desfolha as pétalas dos astros!... 
 

Florbela Espanca
 
 
 
 
ilustração valterpoeta 

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Linda música de Natal




Obrigada ao amigo Guilherme Pugsley

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Dia do livro: algumas dicas



O livro "O Pequeno Príncipe" é atual até hoje. Não tem quem não goste."Marley e eu" é comovente, vale a pena.Também merecem ser lidos "Ensaio sobre a cegueira", "O filho eterno" e nem pensar em não ler "Os irmãos Karamazov".




1
A Cabana
William Young [1 | 15] SEXTANTE

Comer, Rezar, Amar
Elizabeth Gilbert [1 | 37] OBJETIVA

Vencendo o Passado
Zibia Gasparetto [2 | 2] VIDA & CONSCIÊNCIA


Crepúsculo
Stephenie Meyer [2 | 29*] INTRÍNSECA


1808
Laurentino Gomes [2 | 62] PLANETA

O Código da Inteligência
Augusto Cury [1 | 5] THOMAS NELSON BRASIL


O Vendedor de Sonhos
Augusto Cury [3 | 23] ACADEMIA DE INTELIGÊNCIA
3
Uma Breve História do Mundo
Geoffrey Blainey [4 | 47*] FUNDAMENTO


O Segredo
Rhonda Byrne [3 | 82] EDIOURO


Lua Nova
Stephenie Meyer [4 | 10] INTRÍNSECA


Guinness World Records 2009
Guinness [3 | 5] EDIOURO


Eles Continuam entre Nós
Zibia Gasparetto [4 | 16] VIDA & CONSCIÊNCIA


Brisingr
Christopher Paolini [7 | 2] ROCCO


Uma Breve História do Século XX
Geoffrey Blainey [7 | 4] FUNDAMENTO


Casais Inteligentes Enriquecem
Juntos
Gustavo Cerbasi [5 | 137*] GENTE


A Viagem do Elefante
José Saramago [6 | 4] COMPANHIA DAS LETRAS


Mentes Perigosas
Ana Beatriz Barbosa Silva [9 | 5] FONTANAR


O Monge e o Executivo
James Hunter [6 | 201] SEXTANTE


A Menina que Roubava Livros
Markus Zusak [5 | 90] INTRÍNSECA


Dewey
Vicki Myron e Bret Witter [8 | 8] GLOBO


A Cabeça de Steve Jobs
Leander Kahney [0 | 2*] AGIR


O Pequeno Príncipe
Antoine de Saint-Exupéry [10 | 9*] AGIR


Deu no New York Times
Larry Rohter [5 | 3] OBJETIVA


A Arte da Guerra
Sun Tzu [0 | 40*] VÁRIAS EDITORAS


Ensaio sobre a Cegueira
José Saramago [9 | 29*] COMPANHIA DAS LETRAS


Fazendo as Malas
Danuza Leão [0 | 1] COMPANHIA DAS LETRAS


Quem me Roubou de Mim?
Fábio de Melo [9 | 4] CANÇÃO NOVA

1
O Jogo do Anjo
Carlos Ruiz Zafón [8 | 8] OBJETIVA/SUMA DE LETRAS


Marley & Eu
John Grogan [6 | 114] PRESTÍGIO


Nunca Desista de Seus Sonhos
Augusto Cury [8 | 172*] SEXTANTE


O Recurso
John Grisham - ROCCO


O Rei da Noite
João Ubaldo Ribeiro - OBJETIVA


As Sete Leis Espirituais
do Sucesso
Deepak Chopra - BEST SELLER


A Cidade do Sol
Khaled Hosseini - NOVA FRONTEIRA

Os Irmãos Karamabloch
Arnaldo Bloch - COMPANHIA DAS LETRAS

A Lição Final
Randy Pausch e Jeffrey Zaslow - AGIR


O Caçador de Pipas
Khaled Hosseini - NOVA FRONTEIRA

Doidas e Santas
Martha Medeiros - L&PM


Minutos de Sabedoria
Carlos Torres Pastorino - VOZES


A Sombra do Vento
Carlos Ruiz Zafón - OBJETIVA/SUMA DE LETRAS


O Mundo É Bárbaro
Luis Fernando Verissimo - OBJETIVA

Os Segredos da Mente Milionária
T. Harv Eker - SEXTANTE

15
Um Bestseller Pra Chamar de Meu
Marian Keyes - BERTRAND BRASIL


A Cientista Que Curou Seu Próprio Cérebro
Jill Bolte Taylor - EDIOURO

Lições Que a Vida Oferece
Eliana Machado Coelho - LUMEN EDITORIAL


O Filho Eterno
Cristovão Tezza - RECORD


Condessa de Barral
Mary Del Priore - OBJETIVA


Investimentos Inteligentes
Gustavo Cerbasi - THOMAS NELSON BRASIL

17
Os Homens que Não
Amavam as Mulheres
Stieg Larsson - COMPANHIA DAS LETRAS


A Origem dos Meus Sonhos
Barack Obama - GENTE


Clássicos do Mundo Corporativo
Max Gehringer - GLOBO


Os Irmãos Karamázov
Fiódor Dostoiévski - EDITORA 34

A Bola de Neve
Alice Schroeder - SEXTANTE


Superdicas para Motivar sua Vida e Vencer Desafios
Cesar Romão - SARAIVA


O Guardião de Memórias
Kim Edwards - SEXTANTE

O Livro Perigoso para Garotos
Conn Iggulden e Hal Iggulden - GALERA RECORD

Quem Mexeu no Meu Queijo?
Spencer Johnson - RECORD

Um Lugar Para Todos
Thrity Umrigar - NOVA FRONTEIRA

Conversas com Woody Allen
Eric Lax - COSAC NAIFY

Só por Amor
Mônica de Castro - VIDA & CONSCIÊNCIA
(FONTE:www.veja.abril.com)

Você pode ler trechos dos livros no site acima

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Perdeu Woodstok?



Dois grandes nomes da música de Woodstock
Lista de blogs: participe
Acesse a lista no link abaixo:
http://kiwicomqueijo.com/?p=2386

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Pra não esquecermos jamais



Para que osjovens de hoje vejam os dias negros da ditadura.

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

sábado, 26 de setembro de 2009

Dez coisas que detesto/ A missão


A missão tarefa é o seguinte: temos que listar 10 coisas de que detestamos e passar o desafio para 10 outros blogueiros (as).

Eu detesto:
1. leite com nata
2. acordar cedo
3. cenas em público
4. pessoas que magoam os outros
5. homens galinha
6. mulher barbie
7. dinâmicas de grupo
8. gerundismo; "vamos estar fazendo"
9. pessoas que judiam de animais
10.pobres de espírito

Agora, minha missão é passar a outros blogueiros a tarefa. Lá vai:

1. Ebrael Shaddai do blog memoriasdeebrael



2.Guilherme do blogdacomunicacao

3.Edvalter do blog ed-arte

4.Drika do blog pipocandoonline

5.Lulei do blog artesemanhas

6.Rita Costa do blog almadepoesia2007

7. Maha do blogdomaha

8.Mary Miranda do blog fatos de fato

9. Nakamura do blog orientalfotosflores

10.Michel Goulart do blog historiadigital

domingo, 20 de setembro de 2009

Choro Bandido



Choro BandidoEdu Lobo - Chico Buarque / 1985
Para a peça O corsário do rei de Augusto Boal


Mesmo que os cantores sejam falsos como eu
Serão bonitas, não importa
São bonitas as canções
Mesmo miseráveis os poetas
Os seus versos serão bons
Mesmo porque as notas eram surdas
Quando um deus sonso e ladrão
Fez das tripas a primeira lira
Que animou todos os sons
E daí nasceram as baladas
E os arroubos de bandidos como eu
Cantando assim:
Você nasceu para mim
Você nasceu para mim

Mesmo que você feche os ouvidos
E as janelas do vestido
Minha musa vai cair em tentação
Mesmo porque estou falando grego
Com sua imaginação
Mesmo que você fuja de mim
Por labirintos e alçapões
Saiba que os poetas como os cegos
Podem ver na escuridão
E eis que, menos sábios do que antes
Os seus lábios ofegantes
Hão de se entregar assim:
Me leve até o fim
Me leve até o fim

Mesmo que os romances sejam falsos como o nosso
São bonitas, não importa
São bonitas as canções
Mesmo sendo errados os amantes
Seus amores serão bons
Categoria: Música

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

sábado, 12 de setembro de 2009

A arte do burlesco




Dita Von Teese e a sensual arte de tirar a roupa...

Romantismo

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Banda do Kill Bill



Muito louca, mas vale a pena ver. Fizeram a trilha sonora de Kill Bill.

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Anedotário


Pérolas dos relatórios de registro policial.




Tal anedotário é obra de um Tenente Coronel da PM, que recentemente
expôs o conteúdo de seu livro no Programa do Jô Soares, informando que
todas as frases foram originalmente coletadas dos livros e relatórios de
registro policial.

Alguns erros notórios escritos por policiais em ocorrências:

'Senhor delegado, deu entrada no Pronto-Socorro Municipal o cidadão,
vítima de 'gargalhada'. 'Gargalhada' no peito, no rosto e nas costas.
Segue anexo um 'gargalho' de garrafa.'
(Por acaso não seria : GARGALO !??)

'O veículo, durante o acidente, teve amassamento no pára- choques e nos
pára-lamas dianteiros, sendo quem não pudemos colher melhores dados, devido à vítima haver fugido a 'galope.'
(Era um atropelamento de cavalo ?).

'O condutor foi preso em flagrante por estar dirigindo em velocidade
'incombatível' com o local.'
(O que pensar...?)

'Ocorreu um 'abarroamento de pessoas'. 'Os conduzidos, além da algazarra,
ainda xingavam a todos com palavra de baixo 'escalão'.
(Bom...no nosso país, tudo é uma questão de escalão!)

'Demos cobertura à ambulância na condução de um 'débito mental' até o
PSM'. (Vc já pode imaginar quem está com débito mental ?!)

'O condutor do veículo colocava em risco a segurança das pessoas, pois
estava dando 'cavalo de Paulo' na rua'
(Que Paulo... quem é o Paulo...chama o Paulo , vai !?)


'Chegando ao local, encontramos a vítima caída ao solo, aparentando ter
cometido um 'homicídio contra si mesmo'
(Esse aí acredita em reencarnação, hein?)'

'No histórico da ocorrência, constava como objeto apreendido: duas latas
de cera 'Odd' e uma lata de cera 'PPO'.
(Uma das latas estava de cabeça para baixo ... fala sério ???).

'Formava uma 'língua de fogo que lavava a rua'
( O que comentar??? alguém mais inspirado poderia tentar, por favor?!)

'O cidadão machucou o 'membro do rosto'.'
( Alguém conhece esse membro ??)

'O conduzido, que foi preso em flagrante, disse que era inocente na
acusação e que não estava passando de 'bode respiratório'.'
( Deve ser uma nova técnica de recuperação pulmonar !)

'O sujeito estava vestido com uma calça Jeans e uma camisa 'destampada' '
(Por que ele não 'tampou'???)

'...os indivíduos tentaram resgatar o autor do nosso domínio através do
uso de força 'anônima'.'

( Esse fumou erva estragada ! ! !)

'O cadáver apresentava sinais de estar morto.'
(Ufa , ainda bem !!)

'Foi apreendido um quilo de lingüiça 'perfumada'
(que cena poética...)

'Atendemos à 'solicitação do solicitante' , que nos narrou que o autor
praticava 'atentado violento' ao pudor, pois exibia para os transeuntes os
'órgãos sanitários'.'
(sem comentários...fico sem palavras !!)

'Após discutir com a vítima, o autor desferiu um forte soco no rosto da
mesma, que de tão violento, 'soltou a tampa de seu nariz' '
(Deve ser o mesmo cidadão da camisa 'destampada'... ele tem algum problema com esse objeto !?)

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

terça-feira, 18 de agosto de 2009

domingo, 16 de agosto de 2009

sábado, 15 de agosto de 2009

domingo, 9 de agosto de 2009

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Foto da Lua Em comemoração aos 40 anos....


FOTO COMEMORATIVA DOS 40 ANOS DA CHEGADA À LUA


E...

QUANDO OS AMERICANOS VOLTARAM A LUA PARA A

COMEMORAÇÃO DOS 40 ANOS DA PRIMEIRA VIAGEM...

Foto publicada pela NASA em comemoração ao dia histórico...

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Opinião de um homem sobre o corpo feminino



Opinião de um homem sobre o corpo feminino
por Paulo Coelho


Não importa o quanto pesa. É fascinante tocar, abraçar e acariciar o corpo de uma mulher. Saber seu peso não nos proporciona nenhuma emoção.

Não temos a menor idéia de qual seja seu manequim. Nossa avaliação é visual, isso quer dizer, se tem forma de guitarra... está bem.. Não nos importa quanto medem em centímetros - é uma questão de proporções, não de medidas.

As proporções ideais do corpo de uma mulher são: curvilíneas, cheinhas, femininas.... Essa classe de corpo que, sem dúvida, se nota numa fração de segundo. As magrinhas que desfilam nas passarelas, seguem a tendência desenhada por estilistas que, diga-se de passagem, são todos gays e odeiam as mulheres e com elas competem. Suas modas são retas e sem formas e agridem o corpo que eles odeiam porque não podem tê-los.

Não há beleza mais irresistível na mulher do que a feminilidade e a doçura. A elegância e o bom trato, são equivalentes a mil viagras.

A maquiagem foi inventada para que as mulheres a usem. Usem! Para andar de cara lavada, basta a nossa. Os cabelos, quanto mais tratados, melhor.

As saias foram inventadas para mostrar suas magníficas pernas... Porque razão as cobrem com calças longas? Para que as confundam conosco? Uma onda é uma onda, as cadeiras são cadeiras e pronto. Se a natureza lhes deu estas formas curvilíneas, foi por alguma razão e eu reitero: nós gostamos assim. Ocultar essas formas, é como ter o melhor sofá embalado no sótão.

É essa a lei da natureza... que todo aquele que se casa com uma modelo magra, anoréxica, bulêmica e nervosa logo procura uma amante cheinha, simpática, tranquila e cheia de saúde.

Entendam de uma vez! Tratem de agradar a nós e não a vocês. porque, nunca terão uma referência objetiva, do quanto são lindas, dita por uma mulher. Nenhuma mulher vai reconhecer jamais, diante de um homem, com sinceridade, que outra mulher é linda.

As jovens são lindas... mas as de 40 para cima, são verdadeiros pratos fortes. Por tantas delas somos capazes de atravessar o atlântico a nado. O corpo muda... cresce. Não podem pensar, sem ficarem psicóticas que podem entrar no mesmo vestido que usavam aos 18. Entretanto uma mulher de 45, na qual entre na roupa que usou aos 18 anos, ou tem problemas de desenvolvimento ou está se auto-destruindo.

Nós gostamos das mulheres que sabem conduzir sua vida com equilíbrio e sabem controlar sua natural tendência a culpas. Ou seja, aquela que quando tem que comer, come com vontade (a dieta virá em setembro, não antes; quando tem que fazer dieta, faz dieta com vontade (sem sabotagem e sem sofrer); quando tem que ter intimidade com o parceiro, tem com vontade; quando tem que comprar algo que goste, compra; quando tem que economizar, economiza.



Algumas linhas no rosto, algumas cicatrizes no ventre, algumas marcas de estrias não lhes tira a beleza. São feridas de guerra, testemunhas de que fizeram algo em suas vidas, não tiveram anos 'em formol' nem em spa... viveram! O corpo da mulher é a prova de que Deus existe. É o sagrado recinto da gestação de todos os homens, onde foram alimentados, ninados e nós, sem querer, as enchemos de estrias, de cesárias e demais coisas que tiveram que acontecer para estarmos vivos.
Cuidem-no! Cuidem-se! Amem-se!

A beleza é tudo isto.

Paulo Coelho

terça-feira, 4 de agosto de 2009

quinta-feira, 30 de julho de 2009

sexta-feira, 24 de julho de 2009

Inocência, Dor, Amizade, Solidão...







Inocência, Amizade, Compaixão, Espera

terça-feira, 21 de julho de 2009

Texto de Jabor retirado do site da CBN



Texto circulando na internet

A coisa está preta, está tomando rumos que eu não entendo, porque o

Tio Sam que costuma meter o bedelho em rumos que não lhe agradam, ainda não

se manifestou? com as informações privilegiada que ele tem fornecidas pela

CIA!Deve ter caroço debaixo desse angu..



O artigo não é nenhum dos anexos. O artigo do Jabor está bem mais

abaixo do escrito no e-mail que recebi. É cáustico, porém muito bem

escrito. Repassem o mais que puder



Comentário de Dora Kramer, Estadão de Domingo:



"A decisão do TSE que determinou a retirada do comentário de

Arnaldo Jabor do site da CBN, a pedido do presidente 'Lulla' até pode ter

amparo na legislação eleitoral, mas fere o preceito constitucional da

liberdade de imprensa e de

expressão, configurando-se, portanto, um ato de

censura ."



Em outro trecho:



"Jabor faz parte de uma lista de profissionais tidos pelo

presidente Lula como desafetos e, por isso, passíveis de retaliação à

medida que se apresentem as oportunidades !"



Não deixem de ler, reler, passem adiante!!!!!!







"A VERDADE ESTÁ NA CARA, MAS NÃO SE IMPÕE ( ARNALDO JABOR )



O que foi que nos aconteceu?

No Brasil, estamos diante de acontecimentos inexplicáveis, ou

melhor, "explicáveis" demais.

Toda a verdade já foi descoberta, todos os crimes provados,

todas as mentiras percebidas.

Tudo já aconteceu e nada acontece. Os culpados estão

catalogados, fichados, e nada rola.

A verdade está na cara, mas a verdade não se impõe. Isto é

uma situação inédita

na História brasileira.

Claro que a mentira sempre foi a base do sistema político,

infiltrada no labirinto das oligarquias, claro que não esquecemos a

supressão, a proibição da verdade durante a ditadura, mas nunca a verdade

foi tão límpida à nossa frente e, no entanto, tão inútil, impotente,

desfigurada.



Os fatos reais: com a eleição de Lula, uma quadrilha se enfiou

no governo e desviou bilhões de dinheiro público para tomar o Estado e

ficar no poder 20 anos.

Os culpados são todos conhecidos, tudo está decifrado, os

cheques assinados, as contas no estrangeiro, os tapes, as provas

irrefutáveis,mas o governo psicopata de Lula nega e ignora tudo.

Questionado ou flagrado, o psicopata não se responsabiliza por

suas ações.

Sempre se acha inocente ou vítima do mundo, do qual tem de se

Vingar .



O

outro não existe para ele e não sente nem remorso nem

vergonha do que faz. Mente compulsivamente, acreditando na própria

mentira, para conseguir poder.

Este governo é psicopata!!! Seus membros riem da verdade,

viram-lhe as costas, passam-lhe a mão nas nádegas.

A verdade se encolhe, humilhada, num canto. E o pior é que o

Lula, amparado em sua imagem de "povo", consegue transformar a Razão em

vilã, as provas contra ele em acusações "falsas", sua condição de cúmplice

e comandante em "vítima".

E a população ignorante engole tudo. Como é possível isso?



Simples: o Judiciário paralítico entoca todos os crimes na

Fortaleza da lentidão e da impunidade. Só daqui a dois anos serão julgados

os indiciados - nos comunica o STF.

Os delitos são esquecidos, empacotados, prescrevem.

A Lei protege os crimes e

regulamenta a própria

desmoralização. Jornalistas e formadores de opinião sentem-se inúteis,

pois a indignação ficou supérflua. O que dizemos não se escreve, o que

escrevemos não se finca, tudo quebra diante do poder da mentira desse

governo.

Sei que este é um artigo óbvio, repetitivo, inútil, mas tem de

ser escrito....

Está havendo uma desmoralização do pensamento Deprimo-me:

" Denunciar para quê, se indignar com quê? Fazer o quê?".

A existência dessa estirpe de mentirosos está dissolvendo a

nossa língua.

Este neocinismo está a desmoralizar as palavras, os

raciocínios. A língua portuguesa, os textos nos jornais, nos blogs, na TV,

rádio, tudo fica ridículo diante da ditadura do lulo-petismo .

A cada cassado perdoado, a cada negação do óbvio, a cada

testemunha, muda, aumenta a sensação de que as

idéias não correspondem

mais aos fatos! Pior: que os fatos não são nada - só valem as versões, as

manipulações.

No último ano, tivemos um único momento de verdade, louca,

operística, grotesca, mas maravilhosa, quando o Roberto Jefferson abriu a

cortina do país e deixou-nos ver os intestinos de nossa política. Depois

surgiram dois grandes documentos históricos: o relatório da CPI dos

Correios e o parecer do procurador-geral da República.

São verdades cristalinas, com sol a Pino.

E, no entanto, chegam a ter um sabor quase de "gafe". Lulo-

petistas clamam: "Como é que a Procuradoria Geral, nomeada pelo Lula, tem

o desplante de ser tão clara! Como que o Osmar Serraglio pode ser tão

explícito, e como o Delcídio Amaral não mentiu em nome do PT ? Como

ousaram ser honestos?".

Sempre que a verdade eclode, reagem.

Quando um

juiz condena rápido, é chamado de "exibicionista".

Quando apareceu aquela grana toda no Maranhão (lembram, filhinhos?), a

família Sarney reagiu ofendida com a falta de "finesse" do governo de FH,

que não teve a delicadeza de avisar que a polícia estava chegando... Mas

agora é diferente.

As palavras estão sendo esvaziadas de sentido.

Assim como o stalinismo apagava fotos, reescrevia textos para

contestar seus crimes, o governo do Lula está criando uma língua nova, uma

novi-língua empobrecedora da ciência política, uma língua esquemática,

dualista, maniqueísta, nos preparando para o futuro político simplista que

está se consolidando no horizonte. Toda a complexidade rica do país será

transformada em uma massa de palavras de ordem, de preconceitos

ideológicos movidos a dualismos e oposições, como tendem a fazer o

populismo e o simplismo. Lula será eleito por uma

oposição mecânica entre

ricos e pobres, dividindo o país em "a favor" do povo e "contra",

recauchutando significados que não dão mais conta da circularidade do

mundo atual.

Teremos o "sim" e o "não", teremos a depressão da razão de um

lado e a psicopatia política de outro, teremos a volta da oposição mundo x

Brasil, nacional x internacional e um voluntarismo que legitima o governo

de um Lula 2 e um Garotinho depois. Alguns otimistas dizem:

"Não... este maremoto de mentiras nos dará uma fome de

verdades!". (Arnaldo Jabor)



Tomara que este texto se transforme na maior corrente que a

internet já viu.

sábado, 18 de julho de 2009

Um manifesto pela leitura literária



Assine o manifesto:

http://www.brasilliterario.org.br/participe.php

sexta-feira, 17 de julho de 2009

domingo, 12 de julho de 2009

Betty Boop e os direitos dos animais



Postado por canalvoid no youtube: vídeo de animação de 1936 sobre veganismo e defesa dos animais

sexta-feira, 10 de julho de 2009

Uma notícia atualíssima


Uma notícia atualíssima!(circulando na internet)

Que interessante, não? A reportagem abaixo da Veja é de maio de 1986. Passaram-se 23 anos. O Brasil ganhou Copas do Mundo, a inflação acabou, a ditadura faz parte da história, Airton Senna morreu, Collor foi eleito e deposto, o PT finalmente assumiu o poder, alguns bebês de 1986 agora estão deixando os bancos das faculdades. Mas a Veja de maio de 2009 pode publicar a mesmíssima matéria, apenas com alguns nomes e circunstâncias diferentes. Surpresa? Absolutamente não. Este país não muda e não mudará jamais. A esculhambação é a nossa cara.

Leia o que publicava a revista Veja, em maio de 1986.

terça-feira, 7 de julho de 2009

sábado, 4 de julho de 2009

Ana Peluso - Textos Ilustrados - Projeto Releituras


A Moça Tecelã
Por Marina Colasanti


Acordava ainda no escuro, como se ouvisse o sol chegando atrás das beiradas da noite. E logo sentava-se ao tear.

Linha clara, para começar o dia. Delicado traço cor da luz, que ela ia passando entre os fios estendidos, enquanto lá fora a claridade da manhã desenhava o horizonte.


Depois lãs mais vivas, quentes lãs iam tecendo hora a hora, em longo tapete que nunca acabava.

Se era forte demais o sol, e no jardim pendiam as pétalas, a moça colocava na lançadeira grossos fios cinzentos do algodão mais felpudo. Em breve, na penumbra trazida pelas nuvens, escolhia um fio de prata, que em pontos longos rebordava sobre o tecido. Leve, a chuva vinha cumprimentá-la à janela.

Mas se durante muitos dias o vento e o frio brigavam com as folhas e espantavam os pássaros, bastava a moça tecer com seus belos fios dourados, para que o sol voltasse a acalmar a natureza.

Assim, jogando a lançadeira de um lado para outro e batendo os grandes pentes do tear para frente e para trás, a moça passava os seus dias.

Nada lhe faltava. Na hora da fome tecia um lindo peixe, com cuidado de escamas. E eis que o peixe estava na mesa, pronto para ser comido. Se sede vinha, suave era a lã cor de leite que entremeava o tapete. E à noite, depois de lançar seu fio de escuridão, dormia tranqüila.

Tecer era tudo o que fazia. Tecer era tudo o que queria fazer.

Mas tecendo e tecendo, ela própria trouxe o tempo em que se sentiu sozinha, e pela primeira vez pensou em como seria bom ter um marido ao lado.

Não esperou o dia seguinte. Com capricho de quem tenta uma coisa nunca conhecida, começou a entremear no tapete as lãs e as cores que lhe dariam companhia. E aos poucos seu desejo foi aparecendo, chapéu emplumado, rosto barbado, corpo aprumado, sapato engraxado. Estava justamente acabando de entremear o último fio da ponto dos sapatos, quando bateram à porta.

Nem precisou abrir. O moço meteu a mão na maçaneta, tirou o chapéu de pluma, e foi entrando em sua vida.

Aquela noite, deitada no ombro dele, a moça pensou nos lindos filhos que teceria para aumentar ainda mais a sua felicidade.

E feliz foi, durante algum tempo. Mas se o homem tinha pensado em filhos, logo os esqueceu. Porque tinha descoberto o poder do tear, em nada mais pensou a não ser nas coisas todas que ele poderia lhe dar.

— Uma casa melhor é necessária — disse para a mulher. E parecia justo, agora que eram dois. Exigiu que escolhesse as mais belas lãs cor de tijolo, fios verdes para os batentes, e pressa para a casa acontecer.

Mas pronta a casa, já não lhe pareceu suficiente.

— Para que ter casa, se podemos ter palácio? — perguntou. Sem querer resposta imediatamente ordenou que fosse de pedra com arremates em prata.





Dias e dias, semanas e meses trabalhou a moça tecendo tetos e portas, e pátios e escadas, e salas e poços. A neve caía lá fora, e ela não tinha tempo para chamar o sol. A noite chegava, e ela não tinha tempo para arrematar o dia. Tecia e entristecia, enquanto sem parar batiam os pentes acompanhando o ritmo da lançadeira.

Afinal o palácio ficou pronto. E entre tantos cômodos, o marido escolheu para ela e seu tear o mais alto quarto da mais alta torre.

— É para que ninguém saiba do tapete — ele disse. E antes de trancar a porta à chave, advertiu: — Faltam as estrebarias. E não se esqueça dos cavalos!

Sem descanso tecia a mulher os caprichos do marido, enchendo o palácio de luxos, os cofres de moedas, as salas de criados. Tecer era tudo o que fazia. Tecer era tudo o que queria fazer.

E tecendo, ela própria trouxe o tempo em que sua tristeza lhe pareceu maior que o palácio com todos os seus tesouros. E pela primeira vez pensou em como seria bom estar sozinha de novo.

Só esperou anoitecer. Levantou-se enquanto o marido dormia sonhando com novas exigências. E descalça, para não fazer barulho, subiu a longa escada da torre, sentou-se ao tear.

Desta vez não precisou escolher linha nenhuma. Segurou a lançadeira ao contrário, e jogando-a veloz de um lado para o outro, começou a desfazer seu tecido. Desteceu os cavalos, as carruagens, as estrebarias, os jardins. Depois desteceu os criados e o palácio e todas as maravilhas que continha. E novamente se viu na sua casa pequena e sorriu para o jardim além da janela.

A noite acabava quando o marido estranhando a cama dura, acordou, e, espantado, olhou em volta. Não teve tempo de se levantar. Ela já desfazia o desenho escuro dos sapatos, e ele viu seus pés desaparecendo, sumindo as pernas. Rápido, o nada subiu-lhe pelo corpo, tomou o peito aprumado, o emplumado chapéu.

Então, como se ouvisse a chegada do sol, a moça escolheu uma linha clara. E foi passando-a devagar entre os fios, delicado traço de luz, que a manhã repetiu na linha do horizonte.


Marina Colasanti (1938) nasceu em Asmara, Etiópia, morou 11 anos na Itália e desde então vive no Brasil. Publicou vários livros de contos, crônicas, poemas e histórias infantis. Recebeu o Prêmio Jabuti com Eu sei, mas não devia e também por Rota de Colisão. Dentre outros escreveu E por falar em amor, Contos de amor rasgados, Aqui entre nós, Intimidade pública, Eu sozinha, Zooilógico, A morada do ser, A nova mulher (que vendeu mais de 100.000 exemplares), Mulher daqui pra frente, O leopardo é um animal delicado, Esse amor de todos nós, Gargantas abertas e os escritos para crianças Uma idéia toda azul e Doze reis e a moça do labirinto de vento. Colabora, também, em revistas femininas e constantemente é convidada para cursos e palestras em todo o Brasil. É casada com o escritor e poeta Affonso Romano de Sant'Anna.

Texto extraído do livro “Doze Reis e a Moça no Labirinto do Vento”, Global Editora , Rio de Janeiro, 2000, uma colaboração da amiga Janaina Pietroluongo, da longínqua Oxford.

quarta-feira, 1 de julho de 2009

sábado, 27 de junho de 2009

Rubem Fonseca


Algumas informações sobre um autor brasileiro muito conhecido por romances de mistério e ganhador do prêmio Jabuti de 2008.




Rubem Fonseca
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Rubem Fonseca
Nascimento 11 de Maio de 1925 (84 anos)
Juiz de Fora, Brasil
Nacionalidade Bandeira do Brasil Brasileira
Ocupação Escritor
Principais trabalhos Agosto, O Caso Morel, O Selvagem da Ópera, etc.

José Rubem Fonseca (Juiz de Fora, 11 de maio de 1925) é um escritor e roteirista de cinema brasileiro.

É formado em Direito, tendo exercido várias atividades antes de dedicar-se inteiramente à literatura. Em 2003, venceu o Prémio Camões, o mais prestigiado galardão literário para a língua portuguesa, uma espécie de Prémio Nobel para escritores lusófonos.
Reconhecidamente uma pessoa que, como Dalton Trevisan, adora o anonimato, é descrito por amigos como pessoa simples, afável e de ótimo humor.

As obras de Rubem Fonseca geralmente retratam, em estilo seco e direto, a luxúria e a violência urbana, em um mundo onde marginais, assassinos, prostitutas, delegados e pobres-coitados se misturam. A história através da ficção é também uma marca de Rubem Fonseca, como nos romances Agosto (seu livro mais famoso) em que retratava as conspirações que resultaram no suicídio de Getúlio Vargas, e em O Selvagem da Ópera em que retrata a vida de Carlos Gomes, ou ainda sobre a obra A Cavalaria Vermelha, livro de Isaac Babel retratado em Vastas Emoções e Pensamentos Imperfeitos.

Criou, para protagonizar alguns de seus contos e romances, um personagem antológico: o advogado Mandrake, mulherengo, cínico e amoral, além de profundo conhecer do submundo carioca. Mandrake foi transformado em série para a rede de televisão HBO, com roteiros de José Henrique Fonseca, filho de Rubem, e o ator Marcos Palmeira no papel-título.

Sendo profundamente interessado na arte cinematográfica, escreve também roteiros para filmes, muitos premiados.

É viúvo de Théa Maud e tem três filhos: Maria Beatriz, José Alberto e o cineasta José Henrique Fonseca.

Bibliografia

* Os prisioneiros (contos, 1963)
* A coleira do cão (contos, 1965)
* Lúcia McCartney (contos, 1967)
* O homem de fevereiro ou março (antologia, 1973)
* O caso Morel (romance, 1973)
* Feliz Ano Novo (contos, 1975)
* O cobrador (contos, 1979)
* A grande arte (romance, 1983)
* Bufo & Spallanzani (romance, 1986)
* Vastas emoções e pensamentos imperfeitos (romance, 1988)
* Agosto (romance, 1990)
* Romance negro e outras histórias (contos, 1992)
* O selvagem da ópera (romance, 1994)
* O buraco na parede (contos, 1995)
* Histórias de amor (contos, 1997)
* E do meio do mundo prostituto só amores guardei ao meu charuto (novela, 1997)
* A confraria dos espadas (contos, 1998)
* O doente Molière (romance, 2000)
* Secreções, excreções e desatinos (contos, 2001)
* Pequenas criaturas (contos, 2002)
* Diário de um fescenino (romance, 2003)
* 64 Contos de Rubem Fonseca (contos, 2004)
* Mandrake, a bíblia e a bengala (romance, 2005)
* Ela e outras mulheres (contos, 2006)
* O romance morreu (crônicas, 2007).

Seus contos reunidos foram publicados em 1994.

Prêmios

* Coruja de Ouro pelo roteiro de Relatório de um homem casado, filme dirigido por Flávio Tambellini
* Kikito de Ouro do Festival de Gramado, pelo roteiro de Stelinha, dirigido por Miguel Faria Jr.
* Prêmio da Associação Paulista de Críticos de Arte pelo roteiro de A grande arte, filme dirigido por Walter Salles Jr.
* Prêmio Jabuti

quinta-feira, 25 de junho de 2009

Um homem só....mas.....










Quem não gostaria de levar para casa?

terça-feira, 23 de junho de 2009

Prêmio da ONU para brasileira


ALUNA BRASILEIRA DE DIREITO GANHA CONCURSO MUNDIAL DE REDAÇÃO
Prestem atenção à beleza da redação dessa moça. Com que facilidade ela descreve a atual situação de contradições.

Dá gosto saber que existem jovens engajados, cultos e com capacidade para colocar em palavras uma situação como a que estamos presenciando.


BRASILEIRA GANHA CONCURSO MUNDIAL DE REDAÇÃO










REDAÇÃO DE ESTUDANTE CARIOCA VENCE CONCURSO DA UNESCO COM 50.000 PARTICIPANTES



Tema: 'Como vencer a pobreza e a desigualdade'
Por Clarice Zeitel Vianna Silva
UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro - Rio de Janeiro/RJ




PÁTRIA MADRASTA VIL

Onde já se viu tanto excesso de falta? Abundância de inexistência... Exagero de escassez... Contraditórios??
Então aí está! O novo nome do nosso país! Não pode haver sinônimo melhor para BRASIL..


Porque o Brasil nada mais é do que o excesso de falta de caráter, a abundância de inexistência de solidariedade, o exagero de escassez de responsabilidade.
O Brasil nada mais é do que uma combinação mal engendrada - e friamente sistematizada - de contradições.
Há quem diga que 'dos filhos deste solo és mãe gentil.', mas eu digo que não é gentil e, muito menos, mãe.

Pela definição que eu conheço de MÃE, o Brasil está mais para madrasta vil.


A minha mãe não 'tapa o sol com a peneira'. Não me daria, por exemplo, um lugar na universidade sem ter-me dado uma bela formação básica.
E mesmo há 200 anos atrás não me aboliria da escravidão se soubesse que me restaria a liberdade apenas para morrer de fome.
Porque a minha mãe não iria querer me enganar, iludir. Ela me daria um verdadeiro Pacote que fosse efetivo na resolução do problema, e que contivesse educação + liberdade + igualdade. Ela sabe que de nada me adianta ter educação pela metade, ou tê-la aprisionada pela falta de oportunidade, pela falta de escolha, acorrentada pela minha voz-nada-ativa. A minha mãe sabe que eu só vou crescer se a minha educação gerar liberdade e esta, por fim, igualdade. Uma segue a outra... Sem nenhuma contradição!
É disso que o Brasil precisa: mudanças estruturais, revolucionárias, que quebrem esse sistema-esquema social montado; mudanças que não sejam hipócritas, mudanças que transformem!
A mudança que nada muda é só mais uma contradição. Os governantes (às vezes) dão uns peixinhos, mas não ensinam a pescar.
E a educação libertadora entra aí. O povo está tão paralisado pela ignorância que não sabe a que tem direito. Não aprendeu o que é ser cidadão.
Porém, ainda nos falta um fator fundamental para o alcance da igualdade: nossa participação efetiva; as mudanças dentro do corpo burocrático do Estado não modificam a estrutura. As classes média e alta - tão confortavelmente situadas na pirâmide social - terão que fazer mais do que reclamar (o que só serve mesmo para aliviar nossa culpa)... Mas estão elas preparadas para isso?
Eu acredito profundamente que só uma revolução estrutural, feita de dentro pra fora e que não exclua nada nem ninguém de seus efeitos, possa acabar com a pobreza e desigualdade no Brasil.

Afinal, de que serve um governo que não administra? De que serve uma mãe que não afaga? E, finalmente, de que serve um Homem que não se posiciona?


Talvez o sentido de nossa própria existência esteja ligado, justamente, a um posicionamento perante o mundo como um todo.
Sem egoísmo. Cada um por todos...
Algumas perguntas, quando auto-indagadas, se tornam elucidativas. Pergunte-se: quero ser pobre no Brasil? Filho de uma mãe gentil ou de uma madrasta vil? Ser tratado como cidadão ou excluído?
Como gente... Ou como bicho?

Premiada pela UNESCO, Clarice Zeitel, de 26 anos, estudante que termina faculdade de direito da UFRJ em julho, concorreu com outros 50 mil estudantes universitários. Ela acaba de voltar de Paris, onde recebeu um prêmio da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) por uma redação sobre 'Como vencer a pobreza e a desigualdade'.

A redação de Clarice intitulada `Pátria Madrasta Vil´ foi incluída num livro, com outros cem textos selecionados no concurso. A publicação está disponível no site da Biblioteca Virtual da Unesco.

domingo, 21 de junho de 2009

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Mãe é quem cria



Mãe é quem cria


Assim que chegou a um centro de resgate para aves de rapina, em Cornualha, no Reino Unido, a bebê coruja Bramble tratou de encontrar uma nova mãe. E a escolha foi bem incomum: a cadela Sophie, da raça cocker spaniel.

Aos três anos, Sophie usa seu instinto maternal para cuidar da corujinha, que, segundo o jornal “The Sun”, ganha até banhos à base de lambidas.

A ave parece ter gostado tanto do tratamento que passou a voar até a casa principal do centro, onde vive Sophie, para a sua higiene diária, digamos.



“Quando Bramble chegou ela não tinha penas, e teve que ficar confinada dentro de casa. No primeiro dia, Bramble encostou no sofá onde Sophie estava, e a cadela a limpou. A partir de então, elas se tornaram inseparáveis”, afirma Sharon Bindon, que dirige o centro.

terça-feira, 16 de junho de 2009

Conselheiros da Petrobas



Conselheiros da PETROBRAS (veja abaixo alguns)
Pena que não informaram os nomes do resto da camarilha. Por essas e muitas outras é que os combustíveis não podem baixar de preço. Dá pra imaginar o bordel que não é essa empresa.
A quadrilha governante nem dá bola para o fato de se tratar de uma Sociedade Anônima de Capital Aberto, que possui 750.000 (setencentos e cinquanta mil) acionistas(proprietários). Como o Governo (PT) detém a maioria do capital votante, o partido deita e rola encima da dinheirama.Daí o verdadeiro PAVOR de CPI. Aliás, basta ver a cara de areia mijada do tal de Gabriele - um debochado e incompetente - para se ter idéia da verdadeira farra que se instalou lá dentro. É bom frisar que a capitalização da empresa foi feita inclusive com recursos do FGTS, isto é, dinheiro de TRABALHADORES,que deveriam ser razão da existência da "ilibada" agremiação política que "comanda este operoso governo" ...
É de chorar!!
Repassando

Só em uma estatal. Já imaginou se tudo fosse estatizado como muitos querem? Acontecia o mesmo na Vale do Rio Doce.

Conselheiros da Petrobras
Data: 08/06/09 19:51
Deu no jormal "valor " de 11 de maio de 2009


Ata da Assembeia Geral ordinaria da Petrobras de 8 de abril de 2009
Valor da reserva para pagamento aos 9 Conselheiros:R$ 8.266.600,00
Valor anual para cada Conselheiro:R$ 918.511,11
Valor mensal: R$ 76.542,59

Conselheiros:

Min da Casa Civil: Dilma Vana Rousseff
Min da Fazenda: Min Mantega
Sec de comunicaçoes: Franklin Martins




ÊTA PAÍS FORTE , QUE AINDA NÃO DESMORONOU . . .

domingo, 14 de junho de 2009

sábado, 13 de junho de 2009

Acidente Curitiba entre Ex-Deputado De Carli e Yared

Vídeo mostra a adulteração das provas contra ex-deputado.

terça-feira, 9 de junho de 2009

Raul Seixas falando sobre filosofia

O filósofo explica...

Rubem Braga: um grande cronista


Recado ao senhor 903

Vizinho –

Quem fala aqui é o homem do 1003. Recebi outro dia, consternado, a visita do zelador, que me mostrou a carta em que o senhor reclamava do barulho em meu apartamento. Recebi depois a sua própria visita pessoal – devia ser meia-noite – e a sua veemente reclamação verbal. Devo dizer que estou desolado com tudo isso, e lhe dou inteira razão. O regulamento do prédio é explícito e, se não o fosse, o senhor, ainda teria ao seu lado a Lei e a Polícia. Quem trabalha o dia inteiro tem direito ao repouso noturno e é impossível repousar no 903 quando há vozes, passos e músicas no 1003. Ou melhor: é impossível ao 903 dormir quando o 1003 se agita; pois como não sei seu nome nem o senhor sabe o meu, ficamos reduzidos a ser dois números, dois números empilhados entre dezenas de outros. Eu, 1003, me limito a Leste pelo 1005, a Oeste pelo 1001, ao Sul pelo Oceano Atlântico, ao Norte pelo 1004, ao alto pelo 1103 e embaixo pelo 903 – que é o senhor. Todos esses números são comportados e silenciosos; apenas eu e o Oceano Atlântico fazemos algum ruído e funcionamos fora dos horários civis; nós dois nos agitamos e bramimos ao sabor da maré, dos ventos e da lua. Prometo sinceramente adotar, depois das 22 horas, de hoje em diante, um comportamento de manso lago azul. Prometo. Quem vier à minha casa ( perdão; ao meu número) será convidado a se retirar às 21:45, e explicarei: o 903 precisa repousar das 22 às 7 pois às 8:15 deve deixar o 783 para tomar o 109 que o levará até o 527 de outra rua, onde ele trabalha na sala 305. Nossa vida, vizinho, está toda numerada; e reconheço que ela só pode ser tolerável quando um número não incomoda outro número, mas o respeita, ficando dentro dos limites de seus algarismos. Peço-lhe desculpas – e prometo silêncio.

...Mas que me seja permitido sonhar co outra vida e com outro mundo, em que um homem batesse à porta do outro e dissesse: “Vizinho, são três horas da manhã e ouvi música em tua casa. Aqui estou”. E o outro respondesse: “Entra, vizinho e come do meu pão e bebe do meu vinho. Aqui estamos todos a bailar e cantar, pois descobrimos que a vida é curta e a lua é bela”.

E o homem trouxesse sua mulher, e os dois ficassem entre os amigos e amigas do vizinho entoando canções para agradecer a Deus o brilho das estrelas e o murmúrio da brisa nas árvores, e o dom da vida, e a amizade entre os humanos, e o a mor e a paz.

Rubem Braga. In: Para gostar de ler. Vol. 1. São Paulo: Ed. Ática.

quarta-feira, 3 de junho de 2009

A mulher desiludida

A autora de A mulher desiludida, Simone de Beauvoir,foi uma das grandes ativistas do feminismo no século XX. Ficou famosa por seu polêmico ensaio O segundo sexo, de 1949, no qual introduziu um debate sobre a situação da mulher, usando paradigmas biológicos, marxistas, psicanalísticos e, chegando a conclusão de que as mulheres são alienadas por questões culturais.Foi casada com o filósofo existencialista Jean-Paul Sartre.

Nesse livro conta a história de três mulheres, que tinham feito confidências a ela, mostrando quão perto esse tipo de mulher está de nós mesmas e que, quem sabe, poderemos as próximas protagonistas dessas histórias.

 

1943 | A Convidada | L'Invitée | romance
1944 | Pyrrhus et Cinéas | ensaio
1945 | Les Bouches Inutiles | peça de teatro (em 2 atos e 8 quadros)
1945 | O Sangue dos Outros| Le Sang des Autres | romance
1946 | Todos os Homens são Mortais | Tous les Hommes sont Mortels | romance
1947 | Por uma Moral da Ambigüidade| Pour une Morale de l'Ambiguïté | ensaio
1947 | L'Amérique au Jour le Jour | ensaio
1948 | L'Existencialisme et la Sagesse des Nations | ensaio
1949 | O Segundo Sexo (I e II) | Le Deuxième Sexe | ensaio
1954 | Os Mandarins | Les Mandarins | romance
1955 | Privilèges | ensaio
1955 | Deve-se Queimar Sade?| Faut-il Brûler Sade? | ensaio
1955 | O Pensamento de Direita, Hoje| La Pensée de Droite, Aujourd'hui | ensaio
1957 | A Longa Marcha | La Longue Marche | ensaio
1958 | Memórias de uma Moça Bem-Comportada | Mémoires d'une Jeune Fille Rangée
1960 | A Força da Idade | La Force de l'Age | memórias
1962 | Djamila Boupacha | testemunho
1963 | A Força das Coisas | La Force des Choses | memórias
1964 | Uma Morte Muito Suave | Une Mort Très Douce | memórias
1966 | As Belas Imagens | Les Belles Images | romance
1968 | A Mulher Desiludida | La Femme Rompue | romance
1970 | A Velhice | La Vieillesse | ensaio
1972 | Balanço Final | Tout Compte Fait | memórias
1979 | Quando o Espiritual Domina |Quand Prime le Spirituel | romance
1981  | A Cerimônia do Adeus| La Cérémonie des Adieux | memórias
1990 | Journal de Guerre | memórias
1990 | Lettres à Sartre (I e II) | memórias
1997 | Cartas a Nelson Algren | Lettres à Nelson Algren | memórias
2004 | Correspondance Croisée (avec Jacques-Laurent Bost) | memórias

 

 


site de Beauvoir Society
Fundada em 1981, com sede na Califórnia (EUA), esta sociedade internacional organiza anualmente colóquios dos quais as contribuições dos participantes fornecem material para publicações denominadas Simone de Beauvoir Studies. Site bilíngüe: francês e inglês.

http://simonedebeauvoir.free.fr/


Les Pénélopes
O site tem como objetivo utilizar vários tipos de mídia a fim de promover, publicar e difundir informações ligadas ao universo feminino. Há uma seção exclusivamente destinada a Beauvoir com diversos artigos interessantes. Site em francês.

http://www.penelopes.org/archives/pages/sdb.htm


Autour de Simone de Beauvoir
Site pessoal de Suzanne Roy destinado a partilhar sua admiração pela vida e obra de Simone de Beauvoir, mas que pretende também suscitar discussões sobre as experiências dos leitores acerca de Simone de Beauvoir.
Site em francês.

http://autourdebeauvoir.net/index.php


Stanford Encyclopedia of Philosophy
O site da Universidade de Stanford, na Califórnia, possui uma seção dedicada à Filosofia contendo significativo material sobre a obra de Simone de Beauvoir. São 13 tópicos abordando sobretudo seus ensaios.
Site em inglês.

http://plato.stanford.edu/entries/beauvoir/


Centre Audiovisuel Simone de Beauvoir
Fundado em 1982, o Centre Audiovisuel Simone de Beauvoir tem o objetivo de identificar e preservar todos os documentos audiovisuais sobre os direitos, as lutas, a arte e criações das mulheres. Esta memória audiovisual pretende transmitir uma imagem positiva dos movimentos feministas, seu papel e seu lugar no mundo.
Site em francês e inglês.

http://www.centre-simone-de-beauvoir.com


Nova Fronteira
Site da editora que detém os direitos de tradução e publicação da obra de Simone de Beauvoir no Brasil. Consultando o catálogo é possível saber quais livros de Simone estão disponíveis, bem como comprá-los.

http://www.novafronteira.com.br/


Éditions Gallimard
Site da editora que detém os direitos de publicação da obra de Simone de Beauvoir na França. No catálogo da editora constam 63 títulos relacionados a Simone, distribuídos em diversas coleções.
Site em francês.

http://www.gallimard.fr/