terça-feira, 29 de junho de 2010

Agatha Christie


Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.



Placa em homenagem a Agatha Christie na Abadia de Torre (Torre Abbey), na Turquia
Dame Agatha May Clarissa Mallowan (Torquay, 15 de Setembro de 1890Wallingford, 12 de Janeiro de 1976), mundialmente conhecida como Agatha Christie, foi uma romancista policial britânica e autora de mais de oitenta livros. Seus livros são os mais traduzidos de todo o planeta, superados apenas pela Bíblia e pelas obras de Shakespeare, com mais de 4 bilhões de cópias vendidas em diversas línguas.[1]
Conhecida como Duquesa da Morte, Rainha do Crime, dentre outros títulos, criou os famosos personagens Hercule Poirot, Miss Marple, Tommy e Tuppence Beresford e Parker Pyne, entre outros.

A autora e sua obra

Agatha Christie passou a infância e a adolescência num ambiente quase recluso, pois sua mãe se encarregou de dar-lhe formação cultural, proibindo-a de freqüentar escolas públicas. Tinha trinta anos quando conseguiu publicar seu livro de estréia, O misterioso caso de Styles (1921).
Agatha Christie criou dois tipos inesquecíveis: o detetive belga Hercule Poirot, com suas prodigiosas celulazinhas cinzentas no cérebro, e Miss Marple, uma solteirona simpática, observadora sagaz e tão cerebral quanto o detetive belga. Antes de morrer, em 12 de janeiro de 1976, cuidou também de preparar a despedida de Miss Marple; e voltou a mansão Styles, cenário de seu primeiro livro, para encerrar a carreira de Poirot em Cai o pano.

 Influência da mãe

Agatha começou a escrever sob influência da sua mãe, que a incentivou a criar um conto, para passar o tempo, enquanto Agatha, entediada, se recuperava de uma forte constipação que a deixara de cama. Ela chegou a duvidar da sua capacidade, mas conseguiu. Continuou a escrever, encorajada por Eden Phillpotts, um teatrólogo amigo da família. Quando já era famosa, disse que, durante muitos anos, se divertiu escrevendo histórias melancólicas, em que a maioria dos personagens morria.
O primeiro romance de Agatha Christie, O Misterioso Caso de Styles, foi escrito no final da Primeira Guerra Mundial, durante a qual ela trabalhou como enfermeira. Nele criou Hercule Poirot, o pequeno detetive belga que mais tarde se tornaria o personagem de crimes de ficção mais popular depois de Sherlock Holmes. Foi publicado em 1920.

 O Assassinato de Roger Ackroyd

Em 1926, após uma média de um livro por ano, Agatha Christie escreveu a sua obra-prima: O Assassinato de Roger Ackroyd. Este foi o primeiro dos seus livros a ser publicado pela editora Collins, e marcou o início de um relacionamento autor-editor que durou 50 anos e 70 livros. O Assassinato de Roger Ackroyd também foi o primeiro dos livros de Agatha Christie a ser dramatizado – sob o nome de Álibi – e a fazer sucesso no West End de Londres. A Ratoeira, a sua peça mais famosa, estreou em 1952 e é a peça de maior duração em cartaz da história. Ainda é encenada, no mesmo teatro de Londres, desde então.

Crude Awakening: BP Oil Spill/NWF Spec PSA/ ÓLEO E VIDA SELVAGEM

quinta-feira, 24 de junho de 2010

ASSALTO/ OS SEMINOVOS

Seminovos | 26 de dezembro de 2009 | 3:43
Um assalto como tantos outros, narrado pel'Os Seminovos com clipe de Maurício Ricardo.
MP3 grátis: http://www.osseminovos.com.br
No Orkut:
http://www.orkut.com/Community.aspx?c...

Letra:

Leve o meu Ray-Ban
Eu comprei no free shop, é coisa fina
Leve a pulseira
Que é toda feito em ouro e platina
Leve o relógio
Não é daqueles falsos Made in China
Leve o casaco
De couro importado da argentina

Só o que eu peço...
Nem é tanto assim...
Não atire em mim!

Leve a carteira
Que tem algum dinheiro e o meu cartão
Tá aqui a chave
Você pode fugir no meu carrão
Leve o meu tênis
A marca é boa ele tá novinho
Leve a camisa
E o terno italiano em puro linho!

Só o que eu peço
Nem é tanto assim...
Não atire em mim!

Vamos ao caixa
Eu passo a senha e você saca tudo
Não vou fazer B.O.
Eu fico mudo
Leve a cueca
Desculpe, eu deixei ela manchada
Mas ela é nova
Você vai depois que for lavada

Só o que eu peço...
Nem é tanto assim...
Não atire em mim!

sexta-feira, 4 de junho de 2010